Kassab se coloca como única opção contra Marta

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição pelo DEM, Gilberto Kassab, ignorou hoje a possibilidade de não chegar ao segundo turno das eleições municipais e deu apenas duas opções de voto ao eleitor: ele ou sua adversária petista Marta Suplicy. Sem mencionar Geraldo Alckmin, do PSDB, seu programa eleitoral na TV apresentou um resumo de suas realizações na prefeitura, mostrou seu lado empreendedor e "fiel" ao governador José Serra (PSDB)."Você decide: a prefeita das taxas ou o prefeito das Amas", disse o locutor na abertura, após criticar a administração de Marta em São Paulo. A poucos dias do primeiro turno, a campanha apostou na apresentação de um resumo dos principais projetos realizados pelo prefeito e, principalmente, na figura do vice que cumpre à risca o projeto de Serra. "Continuidade rima com lealdade", ressaltou Kassab, destacando também que, como administrador, implantou projetos próprios, como o Cidade Limpa e o combate à venda de gasolina adulterada. A campanha colocou no ar um discurso de Serra em que ele diz que o "prefeito está cumprindo esse compromisso (de dar continuidade ao seu projeto)." No final, um cabo eleitoral de Alckmin aparece elogiando o prefeito e dizendo que votará nele.Já sua adversária petista abriu seu programa culpando a atual gestão pelo que chamou de "caos" no trânsito e no transporte público. "A atual prefeitura não fez nada nestas áreas", acusou Marta. A ex-prefeita fez questão de registrar seu lado empreendedora, destacando as obras viárias de sua administração e as que pretende realizar se eleita. "Marta tem experiência no comando de grandes obras", reforçou o locutor. Repetindo o programa exibido durante a tarde, Alckmin reapresentou sua proposta de investimento em iluminação pública como forma de combater a violência. O tucano aparece na propaganda como "o governador que enfrentou o crime organizado e reduziu o índice de homicídio na cidade." A campanha também repetiu o depoimento do apresentador Silvio Santos elogiando a atuação do então governador no episódio em que o seqüestrador de sua filha invadiu sua casa (em 2001).O candidato Paulo Maluf (PP) pediu o voto dos eleitores para que consiga chegar ao segundo turno. "No segundo turno provarei que fiz mais", disse. Já Ivan Valente (PSOL), que trouxe de volta ao programa a imagem da ex-senadora Heloísa Helena, acusou seus adversários de apresentarem as mesmas propostas e pediu para que os eleitores escolham novos projetos para a cidade. Edmilson Costa (PCB) defendeu mudanças sociais no País. A candidata Anaí Caproni(PCO) reivindicou saúde pública de qualidade para a população e acusou a iniciativa privada de "tomar conta" do setor, enquanto Renato Reichmann (PMN) propôs meia tarifa nos ônibus durante o horário de maior fluxo de passageiros. Ciro Moura (PTC) dedicou seu espaço para criticar a proposta de acesso livre à internet defendido por Marta. Soninha Francine (PPS) deu destaque para a necessidade de fomentar a produção artística e cultural e Levy Fidelix (PRTB) destacou o "caos" no trânsito, na saúde e na educação na TV.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.