Kassab rebate Marta e diz que tem boa parceria com Lula

Candidata do PT, Marta Suplicy, vem dizendo que Lula, por ser do mesmo partido, trabalhará melhor com ela

REUTERS

18 de setembro de 2008 | 15h38

De olho na alta popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição em São Paulo, afirmou que mesmo partidos diferentes podem convergir e trabalhar em conjunto com o governo federal.  Kassab também discordou do presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), para quem o partido deve combater "o deus da popularidade", referindo-se a Lula.   Veja Também: Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Vereador digital: Conheça os candidatos à Câmara de SP  Tire suas dúvidas sobre as eleições de outubro "Divirjo dele (Maia). Qualquer que seja o partido do presidente da República, tem momentos em que você pode convergir, deve trabalhar em conjunto. Na democracia, há momentos em que partidos antagônicos caminham juntos. Não existem só divergências entre partidos, há convergências", disse Kassab em sabatina realizada pelo jornal Folha de S.Paulo. A candidata do PT, Marta Suplicy, vem dizendo que Lula, por ser do mesmo partido, trabalhará melhor com ela. "O diálogo com o presidente Lula é muito bom", afirmou o prefeito. "Discordo da candidata quando diz que o governo federal vai investir mais com ela à frente da prefeitura." O presidente vem quebrando recordes de avaliação positiva e atingiu 64 por cento em recente pesquisa Datafolha. "Em suas ações em relação à cidade de São Paulo Lula tem acertado e eu tenho publicamente dito disso", completou. Kassab voltou a defender a candidatura do governador José Serra (PSDB) para a sucessão de Lula e disse que o presidente "ensaia" a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) para disputar a sucessão em 2010. Kassab também respondeu à campanha do candidato Geraldo Alckmin (PSDB), rebatendo as críticas por ter sido secretário do Planejamento na administração Celso Pitta, que acabou removido do cargo após denúncias de corrupção. No contragolpe, Kassab lembrou que agora o ex-prefeito está ao lado do tucano. "Eles são aliados. O prefeito Pitta é aliado do governador Geraldo Alckmin no PTB", disse. O partido faz parte da coligação que apóia a candidatura do ex-governador. Kassab fez ainda um mea culpa em relação a Pitta. "Foram distorções que aconteceram ao longo do seu mandato que fizeram com que eu me afastasse." Quanto a Maluf, que o elogiou na véspera, relembrou sua boa avaliação pelos paulistanos quando deixou o posto, mas disse ser visível que sua carreira tem equívocos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.