Kassab lembra gestões eficientes de tucanos e ignora Alckmin

Prefeito rejeita idéia de que o programa Remédio em Casa tenha sido criado pela ex-prefeita e candidata Marta

Anne Warth, da Agência Estado

26 de setembro de 2008 | 15h06

Ao citar exemplos de gestões nas quais se inspira para administrar São Paulo, o atual prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), mencionou diversos tucanos e ignorou seu adversário Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador. "Tenho como referência Serra (José Serra, atual governador de São Paulo), Fernando Henrique Cardoso (ex-presidente da República), Mário Covas (governador de São Paulo entre 1995 e 2001), Franco Montoro (governador de São Paulo entre 1983 e 1987)", disse, ao vistoriar galpão de distribuição de medicamentos no Jaguaré, na zona oeste da capital, de onde saem os remédios que são distribuídos para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs) e hospitais de São Paulo.  Veja também:'Deixem se matarem', diz Marta sobre disputa entre adversáriosVeja a conturbada aliança PSDB e DEM Especial: Perfil dos candidatos Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado'Ibope: Veja números das últimas pesquisas  Kassab rejeitou a idéia de que o programa Remédio em Casa tenha sido criado pela ex-prefeita e candidata Marta Suplicy (PT). "Eu não quero copiar nada do que ela fez, não, pelo amor de Deus. Se tem uma coisa que eu não quero é copiar o que ela fez", declarou. Kassab disse que sua gestão recebeu a Prefeitura em uma situação financeira muito difícil. Em relação ao setor da saúde, ele afirmou que Marta "não fez nada". "Nós encontramos o caos na saúde, todos sabem", acusou. O prefeito disse ter dado prioridade à saúde durante seu governo e deu como exemplo a informatização do sistema de distribuição de medicamentos e do controle de estoque. "Isso não existia antes, o que é inconcebível em uma cidade como São Paulo. Isso nos chocou muito no início da gestão", destacou. Apesar das críticas, o candidato admitiu que o Bilhete Único implantado por Marta é um bom projeto. "Até para fazermos justiça, vejam minha isenção, o Bilhete Único já estava funcionando na cidade eu entendi que podia melhorar e melhorei", comparou, ao citar o aumento do tempo de viagem de duas para três horas e a validade de oito horas nos domingos e feriados. "Mas, olha, a grande maioria das coisas que ela fez eu não quero copiar não. Quero distância", ironizou. Ao lado do secretário municipal de Saúde, o tucano Januário Montoni, o prefeito voltou a citar a parceira com outros paridos, principalmente o PSDB. "Na saúde, tivemos muitos avanços, comparando com a gestão anterior. Mas sozinho ninguém faz nada e divido essa boa avaliação com a equipe que temos", ressaltou. Kassab disse ser contra o projeto do líder do DEM na Câmara Municipal, Carlos Apolinário, que cria o pedágio urbano para subsidiar o transporte coletivo. Ele disse que os vereadores têm o direito de apresentar os projetos de seu interesse, mas que, caso seja aprovado, o pedágio urbano será vetado. Na avaliação de Kassab, o pedágio urbano é injusto e privilegia os mais ricos. Mais cedo, Kassab assinou termo de adesão à Plataforma Eleitoral Prefeito Amigo da Criança, da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq). No início da tarde, fez caminhada e cumprimentou comerciantes no bairro da Vila Nova Cachoeira, na zona Norte de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.