Kassab ironiza críticas e diz que 'Alckmin está nervoso'

Prefeito e candidato do DEM atribui ataques de tucano à queda nas pesquisas: 'Nós estamos ultrapassando'

ANNE WARTH, Agencia Estado

23 de setembro de 2008 | 15h06

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), disse nesta terça-feira, 23, que a mudança no tom das críticas de Geraldo Alckmin (PSDB) à sua gestão deve-se ao fato de o tucano ter sido ultrapassado nas últimas pesquisas de intenção de voto. "Ele está nervoso. No início da campanha, ele estava com um discurso muito diferente", afirmou o prefeito, em visita a Heliópolis, zona sul de São Paulo. "A pergunta que eu faço é: Será que ele está tão nervoso assim porque ele não está mais em segundo lugar nas pesquisas, porque nós estamos ultrapassando?", ironizou. Nesta manhã, durante sabatina do jornal Folha de S. Paulo, Alckmin acusou Kassab de ser dissimulado e de usar a máquina pública para destruir o PSDB.   Veja Também: Alckmin ignora Serra e mantém ataques contra Kassab Alckmin sobe mais o tom e chama Kassab de 'dissimulado'Aécio cobra ação do PSDB em SP para resolver briga interna Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Marta tem 37%; Alckmin e Kassab estão empatados, diz pesquisa Ibope: Veja números das últimas pesquisas   Kassab visitou os prédios construídos em Heliópolis pelo programa Urbanização de Favelas, que recebeu verbas da Prefeitura (R$ 450 milhões), governo do Estado (R$ 450 milhões) e do governo federal (R$ 250 milhões). Entre os apartamentos em que entrou, estava o de uma senhora que aparece apresentando sua casa na propaganda eleitoral gratuita. O candidato tomou café com os moradores, caminhou, visitou o Alojamento Pilões, que será totalmente removido para a construção de unidades habitacionais, cumprimentou moradores e comeu um bolo feito especialmente para ele por moradores, que o receberam com faixas agradecendo suas ações no local.Ainda no local, Kassab cumprimentou comerciantes de São João Clímaco e visitou o comitê de campanha de Heliópolis. Lá, discursou para os moradores e disse que o projeto de urbanização da favela dava muito orgulho a ele. "Não tenho nenhum constrangimento de falar que o programa tem verbas da Prefeitura, do governo do Estado e do governo federal. Reconheço e agradeço o governador José Serra e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Acima de tudo, na política, temos que ser gratos", declarou. Antes dele, o secretário municipal da Educação, Alexandre Schneider, disse em discurso que a maior virtude de Kassab era sua lealdade à Serra.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.