Kassab estuda ação criminal contra Marta por folheto

Material o acusa de ter reduzido o número de exames pré-natais, além de dizer que ele 'quer derrubar' Lula

Carolina Freitas, da Agência Estado

14 de outubro de 2008 | 18h20

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab(DEM), afirmou nesta terça-feira, 14, que deve tomar medidas judiciais criminais contra a campanha da candidata Marta Suplicy (PT). O motivo são panfletos distribuídos por cabos eleitorais de Marta que contêm insinuações de práticas racistas supostamente feitas por Kassab.   Veja também: Enquete: estado civil do candidato interfere no voto? Blog: Leia os principais momentos do debate na Bandeirantes  Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  'Eu prometo' traz as promessas de Marta e Kassab  Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País   O material o acusa de ter reduzido o número de exames pré-natais feitos em gestantes negras, além de dizer que ele "quer derrubar" o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que é "cria do Maluf (Paulo Maluf, deputado do PP de São Paulo)".   Kassab chamou de "abuso" as afirmações do panfleto. "Pedi à assessoria jurídica que estude adotar medidas criminais contra a campanha da ex-prefeita", afirmou, depois de uma sabatina no jornal Folha de S. Paulo.   "Ela foca esse panfleto em discriminação racial. É inaceitável, um desrespeito com o eleitor." Durante a sabatina, o prefeito de São Paulo criticou a candidata do PT à Prefeitura.   Sobre os ataques de Marta feitos do debate da Rede Bandeirantes de Televisão, no domingo, Kassab disse, mais de uma vez: "Ela só bate para depois editar e pôr no programa de televisão. Uma jogadinha."   O prefeito voltou a acusar Marta de ter "quebrado a cidade" e criticou a promessa feita  por ela de que devolveria aos moradores o dinheiro do pagamento da taxa do lixo. "Ela teria de apontar quais investimentos cortaria do orçamento para fazer isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.