Kassab diz que não busca confronto com adversários

O atual prefeito de São Paulo e candidato à reeleição pelo DEM, Gilberto Kassab, negou que esteja polarizando a disputa com sua adversária do PT, Marta Suplicy, ou evitando um confronto com o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. Ainda assim, Kassab aproveitou para alfinetar a petista e se esquivou de criticar o tucano, após participar da cerimônia de abertura da 7ª Feira Expocristã, no Expo Center Norte. "São questões distintas", afirmou.Kassab, da coligação "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC), explicou que sua estratégia é comparar sua gestão com a de Marta, que governou a cidade entre 2001 e 2004. "Eu mostro hoje que a cidade melhorou, que a nossa gestão tem mais qualidade que a gestão anterior", disse ele, em uma crítica indireta a candidata da coligação "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB). "Não é uma relação pessoal e, portanto, a busca de um confronto."Com relação a Alckmin - coligação "São Paulo, na Melhor Direção" (PSDB-PTB-PHS-PSL-PSDC) -, Kassab negou que esteja "evitando um confronto ou debate com o ex-governador". "Eu tenho dito que a minha preocupação é com a nossa campanha, é com a cidade de São Paulo, administrar a cidade de São Paulo, e vou continuar conduzindo assim", disse. "Eu não posso ficar me preocupando aqui com a campanha do meu adversário e ele deve saber como conduzi-la."Durante o evento com lideranças evangélicas, Kassab pediu uma oração para a cidade e para o prefeito, sem dizer seu nome. Depois, ele explicou para os jornalistas que o pedido não envolvia a sua reeleição. Para ele, seria uma "indelicadeza" e "nem seria correto pedir essa interferência religiosa". "Eu pedi mesmo que orassem pelo prefeito, pelos meus colaboradores e pela cidade de São Paulo", afirmou. "Nada mais natural."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.