Kassab diz que Marta quer ganhar 'no tapetão' em SP

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), acusou hoje a adversária Marta Suplicy, do PT, de querer ganhar a disputa eleitoral "no tapetão". A reação foi uma resposta ao pedido de cassação da candidatura do democrata feito pela petista à Justiça Eleitoral. A campanha de Marta viu uso da máquina pública em uma cerimônia para repasse de R$ 198 milhões da Prefeitura para o governo do Estado. No evento, na quarta-feira, Kassab entregou ao governador José Serra (PSDB) um grande cheque simbólico para investimentos no Metrô. "Isso é querer ganhar no tapetão", afirmou.Essa é a segunda tentativa da campanha petista de impugnar a candidatura do candidato da coligação "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC). No 1º turno, o motivo do pedido de cassação foi a revelação de um e-mail enviado pelo prefeito a secretários e subprefeitos pedindo uma "ação" em locais em que o Instituto Datafolha fazia pesquisa de intenção de votos. O pedido foi negado pela Justiça Eleitoral.A afirmação de Kassab sobre a nova investida da adversária foi feita depois de um evento oficial ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, líder tucano que teve hoje sua primeira aparição pública ao lado do candidato do DEM. Kassab aproveitou a deixa para reforçar sua afinidade com o governo do PSDB. "Tenho muita satisfação em entregar para o governo do Estado os recursos que ela (Marta) sempre disse que nós não entregaríamos", disse. "Na gestão dela, os recursos eram investidos nos túneis nos Jardins, que quando chovia inundavam."O coordenador da campanha de Marta Suplicy (PT), da coligação "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB), à Prefeitura de São Paulo, deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), rebateu as críticas do prefeito. "Quando o Kassab conseguiu nos tomar praticamente dois dias das inserções, ele utilizou a lei. Aí nesse caso não é tapetão? Só é tapetão quando nós entramos?", questionou.ApoioApesar do caráter oficial do evento, a cerimônia em homenagem à esposa do ex-presidente, Ruth Cardoso, falecida em julho, foi o mote para o apoio de mais um líder tucano a Kassab. Sem falar em eleição, os dois conversaram e trocaram sorrisos durante toda a visita, lado a lado, a um Centro Cultural da Juventude na zona norte da capital paulista, batizado com o nome de Ruth. O vice-governador Alberto Goldman (PSDB) também juntou-se ao grupo. Serra foi o último a chegar, depois da visita, com meia hora de atraso, apenas para a cerimônia de descerramento de uma placa em homenagem a Ruth. Segundo Kassab, a idéia de homenagear a ex-primeira-dama, emprestando seu nome ao centro, partiu de Serra. "Não é a Prefeitura, mas a cidade que faz hoje uma homenagem a Ruth Cardoso", afirmou o prefeito. FHC agradeceu a homenagem à esposa, chamando a iniciativa de "gesto de amigos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.