Kassab diz que campanha de Marta 'errou'

O prefeito e candidato do DEM à reeleição, Gilberto Kassab, afirmou hoje que a campanha da adversária Marta Suplicy (PT) errou ao levar para a TV e para o rádio questionamentos sobre a sua vida pessoal. Satisfeito com a decisão da Justiça Eleitoral, que lhe concedeu um total de 30 minutos para direito de resposta no tempo de propaganda de Marta, Kassab comentou: "Isso mostra que a campanha errou, que existiam equívocos na campanha da ex-prefeita." O candidato evitou, no entanto, detalhar como esse tempo extra ajudará em sua campanha. "Eu cuido da minha campanha. Ela cuida da dela." Questionado sobre a importância desse direito de resposta para conquistar votos, disse: "É importante".Kassab viu com naturalidade a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que demonstrou confiança ontem na vitória de Marta. "Ela é candidata do seu (de Lula) partido. Todos que trabalham por um candidato sempre acreditam na vitória dele, isso é normal." Mesmo assim, o prefeito reconheceu o peso político do presidente nas eleições e atribuiu a "expressiva votação" de Marta no primeiro turno em parte à participação de Lula na campanha da petista. "O presidente é sim um apoio muito importante. Tanto que ela (Marta) teve uma votação bastante expressiva no primeiro turno."Mesmo com a participação de Lula, neste sábado, na campanha de Marta na capital, Kassab negou que fará alterações em sua agenda para contra-atacar a campanha do PT. "A minha agenda independe da agenda da ex-prefeita. Não posso vincular minha campanha à dela." Amanhã, Kassab deve participar ao lado do governador José Serra (PSDB), seu padrinho político, de um evento em homenagem à ex-primeira-dama Ruth Cardoso, falecida em julho. Kassab, no entanto, esclareceu que não há caráter eleitoral no encontro, e deixou claro que sua "exposição" ao lado de Serra "é uma rotina".QueixaO candidato do DEM ouviu críticas de um eleitor hoje de manhã quando deixava um encontro com representantes do turismo gastronômico nos Jardins, na zona oeste. O atendente Wellington Mariano, de 23 anos, parou Kassab e perguntou-lhe sobre seus projetos para a saúde. Mal o candidato começou a responder, foi interrompido por Mariano: "Na verdade, o que passa na televisão não é bem aquilo, quando a gente vai para marcar uma consulta nesse negócio de AMA (Assistência Média Ambulatorial), tem que esperar três, quatro meses", protestou o atendente.O prefeito respondeu que não era preciso marcar hora em AMA, e entrou no carro. O eleitor, no entanto, continuou a falar: "A gente sabe que não é bem assim, tanto que ele até fugiu na hora de responder". Morador de Campo Limpo, na zona sul, Mariano afirmou à reportagem que já definiu seu voto para Marta. "A gente, da periferia, sabe como é. (a propaganda de Kassab) É uma mentira."No encontro com chefs e donos de restaurantes, o prefeito falou sobre a criação de novo centro de eventos em Pirituba, na zona norte, e a reforma do Anhembi, na zona oeste. Kassab apresentou ainda a idéia de incluir o curso da Gastronomia entre as capacitações que pretende promover nos Centros Educacionais Unificados (CEUs), em parceria com o governo do Estado.De lá, o candidato seguiu para uma vistoria no CEU Caminho do Mar, no Jabaquara, na zona sul. Logo na entrada da escola, Kassab ouviu reclamações de pais que aguardavam em uma fila para fazer a matrícula dos filhos. Eles falaram sobre dificuldades para matricular as crianças, apesar de morarem perto do CEU. Kassab encaminhou as queixas para assessores. Um dos pais, no entanto, não teve tanta paciência e gritou "Eu voto na Marta". O prefeito visitou salas de aula, conversou e brincou com as crianças. Na saída de uma sala, as crianças gritaram em coro "Tchau, Kassab". O prefeito aproveitou a proximidade da hora do almoço e comeu um prato de macarrão que era servido para os estudantes no refeitório.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.