Kassab devolve críticas e diz que Marta prejudicou estudantes

Marta, que não rebatia críticas do prefeito, disse que Kassab se apropria 'um pouco demais de obras dos outros'

da Agência Estado

26 de agosto de 2008 | 16h26

O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Gilberto Kassab(DEM), devolveu as críticas feitas pela sua adversária do PT, Marta Suplicy, nesta manhã. Segundo a assessoria de imprensa da campanha de Kassab, o prefeito acabou com as escolas de lata "deixadas por Marta, que prejudicavam 75 mil estudantes", através da entrega dos Centros Educacionais Unificados (CEUs).  Veja também:Marta rebate críticas de Kassab sobre 'escolas de lata'Tenho mais votos que Alckmin e Kassab juntos, diz MartaDivido com Serra a alegria de subir nas pesquisas, diz KassabAlckmin diz que Serra na campanha 'não tem efeito prático'Veja a íntegra da última pesquisa  Multimídia: Perfil dos candidatos   "Os CEUs são entregues completos à população assim que ficam prontos, com as salas de aula, instalações culturais e esportivas. É desta forma que a atual gestão acabou com as salas de lata deixadas por Marta, que prejudicavam 75 mil estudantes", diz a assessoria do Democrata. A campanha de Kassab aproveitou ainda para alfinetar a petista, acusando-a de atrasar o pagamento de salários de funcionários dos CEUs. De acordo com a nota, "os CEUs entregues nesta gestão funcionam efetivamente, diferentemente do período Marta, que deixou para a administração Serra-Kassab funcionários em greve por causa de atraso de seis meses nos salários". Marta rebateu hoje as críticas feitas por Kassab nos programas do horário eleitoral gratuito na TV. "As escolas de lata foram construídas todinhas na gestão do Pitta, da qual o Kassab era secretário do planejamento, então me parece um pouco estranho ele fazer esse tipo de discurso", ironizou.  E arrematou: "Ele planejou as escolas". De acordo com Marta, ela foi responsável em sua gestão pelo início da substituição das escolas de lata por escolas de alvenaria. "Se ele acabou, muito bom", ironizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.