Kassab admite que Serra puxa votos e brinca: 'Virei tucano'

Tucanos devem decidir nesta terça apoiar a candidatura do prefeito após a derrota de Alckmin nas urnas

Carolina Freitas, da Agência Estado,

07 de outubro de 2008 | 14h07

O prefeito Gilberto Kassab, candidato à reeleição pelo DEM, admitiu hoje (07) a importância de contar - oficialmente - com o apoio do governador do Estado, José Serra, do PSDB. "Ele agrega a nossa candidatura, agrega votos e isso é importante para que a gente tenha vitória no segundo turno", disse Kassab, no dia em que os tucanos devem referendar a entrada do PSDB na campanha do prefeito. Nos bastidores, Serra já vinha trabalhando pela reeleição de Kassab. Veja Também:'Eu prometo': Saiba quais são as propostas de Marta e KassabConfira o resultado eleitoral nas capitais do País As principais promessas dos candidatos Enquete: O resultado das eleições surpreendeu?   Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo   Tire suas dúvidas sobre as eleições  A certeza de receber apoio do PSDB é tanta entre os kassabistas que o prefeito se permitiu brincar com a delicada situação. Ao visitar um centro de inspeção veicular, no Jaguaré, zona oeste, Kassab vestiu uma máscara, parecida com um bico, para se proteger da fumaça dos caminhões em teste. "Virei tucano", soltou. "É hoje o dia." Pouco depois, em caminhada de 20 minutos pelo Butantã, mais um agrado aos eminentes aliados tucanos. São-paulino, Kassab vestiu um gorro verde do Palmeiras - time de Serra - oferecido por um popular. "Quero o voto de todas as torcidas." E ao ser lembrado que aquele era o time do governador: "Vocês perceberam, né? Lá me visto de tucano. Aqui, de palmeirense." Apesar do bom humor, Kassab evitou comentar a situação de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB derrotado no primeiro turno. Questionado sobre a possível ausência de Alckmin em seu palanque, desconversou: "Tudo no seu tempo." O prefeito voltou a insistir na "naturalidade" da aliança com o PSDB. "Os dirigentes do DEM e do PSDB se esforçaram por uma aliança no primeiro turno, mas não foi possível. São as regras da democracia", disse. "O PSDB decidiu ter um candidato no primeiro turno e os democratas, um (candidato) no segundo turno." Dona Marta Kassab se inspirou hoje no deputado federal Paulo Maluf, do PP, que também concorria à Prefeitura, para chamar a candidata do PT, Marta Suplicy, de 'Dona Marta'. No primeiro turno o democrata se referia à adversária como 'ex-prefeita'. "É para o eleitor saber de quem estou falando", explicou Kassab. "Ela deve estar me chamando de 'prefeito Kassab' e eu a chamo de 'Dona Marta'." Apesar do novo chamamento, Kassab preferiu não responder às criticas da petista. Mais cedo Marta acusou o prefeito de não ter imagem própria e por isso querer colar na imagem de Serra. "Não vou responder à Dona Marta." O revide, no entanto, veio pouco depois, em nota da coordenação de campanha de Kassab. "A população é inteligente e sabe a diferença entre uma gestão que recuperou São Paulo e uma que só deixou o caos e uma fila de credores na porta da Prefeitura."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.