Juventude tucana usa Enem para atacar Haddad

Eleições 2012; PSDB; Jose Serra; Fernando Haddad; PT

BRUNO BOGHOSSIAN, Agência Estado

22 de maio de 2012 | 09h03

Jovens tucanos vão usar as falhas ocorridas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nos últimos três anos para atacar o pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. Em campanha pela eleição de José Serra (PSDB), o grupo pretende visitar universidades a partir de julho para criticar a gestão do petista no Ministério da Educação.

A ação anti-Enem será feita em debates nas instituições de ensino e nas redes sociais pelo núcleo jovem da campanha, sem a participação direta de Serra. A equipe do pré-candidato afirma que não deu aval aos ataques a Haddad e que pretende realizar apenas debates propositivos, mas a juventude tucana afirma que pretende fazer as críticas de maneira independente.

"Vamos trabalhar essa questão. Não é transformar ninguém em vilão, mas ponderar: se um gestor não consegue controlar um exame, como pode controlar uma cidade?", diz o presidente da Juventude Municipal do PSDB, Breno Siviero. "Temos bons argumentos, sem inventar factoide ou atacar a vida pessoal do candidato."

Os jovens querem usar o discurso contra o petista em reuniões informais, palestras e debates nas universidades com a participação de militantes de outros partidos. A campanha não ficará restrita a faculdades que usam o Enem em seus processos seletivos. Estão previstas ações em instituições como USP, Mackenzie, PUC, Faap e Fundação Getúlio Vargas.

O discurso começou a ser ensaiado em uma reunião da juventude tucana no início do mês. "Temos que falar que o Haddad é o ministro que fez o Enem vazar, ser adiado, ficar horrível. E o Serra foi o governador que fez a maior expansão do ensino técnico em São Paulo", defende Lucas Sorrillo, integrante do grupo.

Estratégia

Reativada após um racha que esvaziou o grupo no ano passado, a Juventude Municipal do PSDB também será um braço informal da campanha de Serra na internet. Os jovens deverão atuar como voluntários para divulgar as realizações do tucano na Prefeitura e no governo estadual. A estratégia de comunicação na web será organizada pelo marqueteiro Luiz González.

Nas ruas, o objetivo do grupo é agregar jovens de diversos grupos sociais, extrapolando os limites do PSDB. Além das universidades, as ações devem se concentrar em setores culturais (hip-hop, funk, street dance), grupos religiosos (católicos, evangélicos, judaicos), núcleos de jovens empreendedores, clubes, eventos de tecnologia e na maçonaria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPSDBEnem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.