Justiça veta último programa eleitoral de candidato em Fortaleza

Proibição ocorre porque Capitão Wagner (PR) extrapolou uso de locutor em vídeo acima dos 15% do tempo permitido por lei; só Roberto Cláudio (PDT) se despediu de eleitorado na TV

Igor Gadelha, enviado especial, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2016 | 21h52

FORTALEZA - O candidato do PR à prefeitura de Fortaleza, o deputado estadual Capitão Wagner, foi proibido pela Justiça de veicular seu último programa eleitoral na TV, na noite desta sexta-feira, 28. Com a determinação, apenas o programa de seu adversário, o atual prefeito da cidade, Roberto Cláudio (PDT), que tenta reeleição, foi exibido.

A Justiça proibiu a veiculação, por Wagner ter desrespeitado alguns pontos da legislação eleitoral no programa de TV apresentado na tarde desta sexta-feira e que seria reexibido à noite. Uma das irregularidades foi ter usado um locutor por mais de 15% do tempo do programa, porcentual máximo permitido pela lei. 

A Justiça atendeu a ação protocolada pela coligação do atual prefeito, questionando as irregularidades. Com a decisão judicial, nenhuma inserção foi veiculada durante os 10 minutos a que Wagner tinha direito. Nesse tempo, foi exibido apenas um anúncio de que aquele espaço era destinado à coligação de Wagner (PMDB/PSDB/PR/Solidariedade).

Por meio de sua assessoria de imprensa, Wagner informou que houve um "erro na produção do programa" na utilização das cenas externas do candidato. Nessa quinta-feira, 27, Wagner já tinha sido proibido de veicular inserção no rádio em que apresentava o senador Eunicio Oliveira (PMDB-CE), um dos seus principais apoiadores em Fortaleza, como presidente do Senado. O parlamentar é líder do PMDB na Casa e um dos nomes cotados para substituir o atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Wagner está em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto para prefeitura de Fortaleza, mas sua desvantagem em relação ao adversário diminuiu nos últimos levantamentos. Nas duas últimas pesquisas Datafolha/O Povo, o candidato do PR oscilou de 41% para 44% dos votos válidos, enquanto Roberto Cláudio variou de 59% para 56%.

Mais conteúdo sobre:
Capitão Wagner Propaganda Eleitoral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.