Humberto Pradeira/PSB
Humberto Pradeira/PSB

Justiça vê indício de fake news e manda instituto deletar vídeo contra candidato no ES

TRE-ES apontou que Instituto Liberal do Espírito Santo publicou vídeo com 'notícias supostamente falsas' contra Renato Casagrande (PSB)

Vinícius Rangel, Especial para o Estado

30 Agosto 2018 | 12h49

VITÓRIA - Em sua primeira ação contra fake news no Espírito Santo, o Tribunal Regional Eleitoral capixaba acatou um pedido feito pelo candidato ao governo do Estado Renato Casagrande (PSB) nas eleições 2018 para a retirada de um vídeo publicado na página do Instituto Liberal do Espírito Santo no Facebook. O vídeo foi removido da rede social na manhã desta quinta-feira, 30, após a decisão judicial tomada na noite anterior.

No vídeo, com pouco mais de 5 minutos, o presidente do instituto, Lucas Polese, critica Casagrande, que governou o Espírito Santo entre 2011 e 2015, chamando-o de “centroavante, como é conhecido nas planilhas de propinas da Odebrecht”. O ex-governador teve realmente seu nome citado durante as investigações da Lava Jato, mas, segundo ressaltou o advogado Munir Abud, que representa o candidato, Casagrande não se tornou réu nem responde a processo na Justiça em virtude da operação.

Polese associou o ex-governador ao Partido Comunista da China e à presidente do PT, Gleisi Hoffmann, afirmando que a petista é "amiga de longa data" do candidato. "Ele mente ao dizer que o representante viajava para a China para se encontrar secretamente com o Partido Comunista chinês", declarou o advogado de Casagrande.

O juiz auxiliar Délio José Rocha Sobrinho determinou que "sejam retirados do ar o perfil anônimo e a publicação contendo notícias supostamente falsas".

Webdesigner, Lucas Polese, de 21 anos, considerou a decisão uma "explícita tentativa de calar quem incomoda". "Já esperava a decisão, afinal, ele é ex-governador e líder nas pesquisas para voltar ao palácio, enquanto eu sou só um garoto com uma câmera". Polese e seu instituto pretendem recorrer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.