Justiça proíbe Marta de usar gráficos em inserções

A Justiça Eleitoral proibiu hoje que a candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, utilize em sua propaganda eleitoral inserções com efeitos de computação gráfica. A decisão foi tomada com base em pedido do seu adversário do DEM, o atual prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, e por sua coligação, "São Paulo no Rumo Certo" (DEM-PMDB-PR-PV-PSC-PRP), e afeta Marta e sua coligação "Uma Nova Atitude Para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB). Cabe recurso dessa decisão ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP). Ontem, Kassab foi alvo de uma decisão idêntica da Justiça Eleitoral, requisitada pela campanha de Marta. Hoje, a decisão contra Marta ocorreu a pedido da campanha da Kassab.De acordo com a decisão do juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Marco Antonio Martin Vargas, "constata-se a existência de recurso técnico e computação gráfica com placas em movimento, na transição de imagem e rotação de quadros de vídeos" na propaganda de Marta. De acordo com a Lei das Eleições (Lei n. 9.504/97), é proibida a utilização em inserções de "computação gráfica, desenhos animados e efeitos especiais", diz a nota do TRE, enviada à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.