Justiça Eleitoral pune campanha e tira tempo de Dilma no rádio

TSE aumenta rigor em razão dos ataques promovidos pelo PT e PSDB e presidente perde 36 segundos no horário eleitoral; tucano também sofrerá sanções

Lilian Venturini, O Estado de S. Paulo

21 de outubro de 2014 | 08h30

São Paulo - A campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu 36 segundos do horário eleitoral do rádio da manhã desta terça-feira, 21, em razão da veiculação de ataques ao adversário Aécio Neves (PSDB). A punição foi determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que considerou irregular um jingle contra o tucano.

A decisão do TSE, anunciada nessa segunda-feira, atendeu a um pedido da campanha de Aécio que questionou a regularidade da paródia feita pelo PT do hino não oficial de Minas Gerais. Para o ministro Admar Gonzaga, o trecho "Oh, Minas Gerais, quem conhece Aécio não vota jamais" tinha o "claro propósito de enfuscar a imagem" do adversário.

A punição de 36 segundos, que será estendida ao horário eleitoral do meio-dia, é apenas uma das aplicadas pela Corte Eleitoral às duas campanhas no 2º turno. Nos últimos dias, o TSE decidiu aumentar o rigor e cassou tempo de propaganda de Dilma e Aécio por entender que ataques promovidos pelas campanhas estavam excessivos. Nesta etapa, os dois candidatos têm direito a 10min de horário eleitoral, além de 7min30s em inserções diárias.

Também nessa segunda, Admar Gonzaga concedeu liminar que impõe a suspensão da propaganda petista que sugere que Aécio teria dificuldade de "respeitar mulheres", além da perda de quatro minutos das inserções da campanha do PT.

O mesmo ministro retirou 2min30s de inserções de Aécio na televisão em resposta a propagandas que acusavam Dilma de ter prevaricado em relação às investigações da Operação Lava Jato, que apura denúncias envolvendo a Petrobrás.

Nas decisões, Admar Gonzaga sinalizou que a propaganda deve ter caráter propositivo e a veiculação de "ataques de natureza pessoal" descumpre a lei eleitoral.

Horário eleitoral. Apesar das decisões, os ataques entre os dois candidatos não cessaram no horário eleitoral desta terça. O PT repetiu as críticas ao ex-presidente do Banco Central Arminio Fraga, escolhido por Aécio para ser ministro da Fazenda, caso seja eleito.

A propaganda tucana leu uma série de dados negativos sobre economia e gestão atribuídos ao governo Dilma. A exemplo do horário eleitoral da TV, a campanha de Aécio apresentou uma entrevista concedida por Dilma em 2010 na qual elogia o então governador de Minas Gerais. / Colaborou Stefânia Akel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.