Justiça bloqueia bens do prefeito de Marília

A Justiça determinou ontem o bloqueio dos bens do prefeito de Marília, Mário Bulgareli (PDT), e do deputado Abelardo Camarinha (PSB), acusados de receber propinas da empresa SP Alimentação e Serviços Ltda, no esquema conhecido como "máfia da merenda". A juíza Daniele Mendes de Melo, da 3ª Vara Cível de Marília, rejeitou, porém, o pedido de afastamento do prefeito.

CHICO SIQUEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO / ARAÇATUBA, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2011 | 03h07

Também tiveram os bens bloqueados os secretários municipais Nelson Grancieri, que está preso, e Carlos Umberto Garrossino, a assessora parlamentar Marildes Lavigni da Silva Miosi, a empresa SP Alimentação e seus sócios, Eloizo Gomes Afonso Durães, Antonio Santos Sarahan, Olésio Magno de Carvalho e Silvio Marques. A juíza também determinou a suspensão do contrato entre a Prefeitura de Marília e a SP Alimentação.

A prefeitura disse que só vai se manifestar após a procuradoria do município tomar conhecimento oficial do despacho da Justiça. O deputado Camarinha disse que vai recorrer da decisão. A SP Alimentação negou ter participado de "processo fraudulento para licitação de contratos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.