Tania Rego/Agência Brasil
Tania Rego/Agência Brasil

Jungmann diz que segurança de candidatos à Presidência será aumentada em 60%

Segundo o ministro, foram destacados 80 policiais para acompanhar os presidenciáveis

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2018 | 15h04

BRASÍLIA - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que, após o ataque ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, o efetivo da Polícia Federal destinado à segurança dos candidatos à Presidência será ampliado em 60%.

Segundo Jungmann, foram destacados 80 policiais para acompanhar, além de Bolsonaro, os candidatos Ciro Gomes, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Álvaro Dias. Somente para Bolsonaro havia 21 pessoas destacadas.

De acordo com o ministro, o número de policiais destinado a cada campanha varia de acordo com a análise de risco feita pela corporação - Bolsonaro é o candidato com maior efetivo. Ele ressaltou que, apesar de ser difícil fazer campanha sem ficar perto do eleitor, isso tem que ser feito de forma programada, sem o candidato se lançar fora do controle pré-determinado pela PF.

"É preciso de todos os candidatos a corresponsabilidade e o compromisso de obedecer às determinações e de procurar se manter nos limites estabelecidos pela Polícia Federal", afirmou.

Jungmann acrescentou que, por enquanto, o suspeito de ter praticado a agressão, Adélio Bispo de Oliveira, continuará detido em Juiz de Fora (MG), mas que, se houver necessidade, poderá ser transferido para o sistema prisional federal. Ele foi indiciado na Lei de Segurança Nacional

"Não cabe retirá-lo enquanto não se encerre os procedimentos judiciais que tem que ser levados na comarca de origem, em Juiz de Fora", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.