Jovens vão às ruas no Rio pedir punição a crimes eleitorais

Ato reuniu dois mil jovens que foram ao TRE pedir rigor na apuração das denúncias de boca-de-urna e fraudes

ALEXANDRE RODRIGUES, Agencia Estado

31 de outubro de 2008 | 18h58

    Dois mil jovens foram às ruas do centro do Rio nesta sexta-feira, 31, para pedir punição para crimes eleitorais, numa mobilização política diferente: apartidário e sem lideranças formalmente constituídas ou o suporte de movimentos estudantis, o encontro foi marcado pela internet. Reunidos na escadaria da Câmara dos Vereadores, na Cinelândia, no início da tarde, eles seguiram em passeata até a sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), onde protocolaram um abaixo-assinado pedindo rigor na apuração das denúncias de boca-de-urna, fraudes, uso da máquina e campanha negativa apócrifa que acreditam terem influenciado o resultado da eleição para a Prefeitura do Rio. O candidato do PMDB, Eduardo Paes, venceu Fernando Gabeira, do PV, por uma pequena diferença nos votos.   Os manifestantes fizeram questão de ressaltar que o protesto era contra as ilegalidades na campanha e não contra o resultado eleitoral em si. Eles rechaçaram qualquer vínculo com políticos, partidos e entidades de classe, insistindo em chamar a atenção para a característica "apartidária" do protesto. As referências a políticos foram até proibidas. Uma mulher que compareceu com uma bandeira com o nome de Gabeira foi vaiada e obrigada a trocar a camiseta do PV por uma preta, cor que quase todos usavam no protesto. Alguns traziam ainda apitos e narizes de palhaço. Outros pintaram o rosto com as cores do Brasil.   Cartazes que atacavam Paes também foram retocados, mas a maioria dos participantes ironizava o peemedebista. Alguns chegavam a manifestar esperança de ver o pleito anulado e outros defendiam apenas punições para que abusos não se repitam. O movimento, batizado de Pró-Democracia, nasceu das discussões entre amigos numa comunidade criada num site de relacionamentos na internet que hoje já tinha mais de 13 mil participantes. O TRE não funcionou ontem, mas funcionários de plantão receberam a reivindicação dos manifestantes.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesRiomanifestação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.