Jovens acusam comando do PSDB de 'falta de democracia'

Os critérios definidos para a eleição do novo presidente da juventude do PSDB desagradaram a uma parte dos militantes tucanos, que acusam a cúpula da sigla de falta de democracia interna. O pleito foi marcado para 21 de setembro e apenas os presidentes estaduais da ala jovem poderão votar na disputa.

ISADORA PERON, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2013 | 02h10

A juventude tucana está sem comando desde maio, quando a eleição foi adiada. No mês passado, o senador e presidente do PSDB Aécio Neves (MG) criou uma nova estrutura no partido, chamada "Rede Temática PSDB Jovem", para substituir a estrutura existente. Uma comissão foi designada para organizar um novo pleito.

Para os críticos, a estratégia foi vista como manobra para limitar a influência do ex-governador José Serra no segmento, considerado estratégico na condução da campanha eleitoral do ano que vem.

"Presenciamos um momento de crescente participação dos jovens nas causas políticas e nas lutas reivindicatórias. Infelizmente, o PSDB está na contramão deste importante momento", escreveu no Facebook Wesley Goggi, provável candidato na disputa e considerado favorito na eleição pelos moldes anteriores. No ano passado, ele atuou na campanha de Serra à Prefeitura de São Paulo.

O edital divulgado anteontem prevê que os 27 presidentes das juventudes estaduais tenham direito a voto, mas o grupo de Goggi, com representantes em pelo menos 12 Estados, reivindica que votem os 594 delegados (o número tem como parâmetro a quantidade de parlamentares que compõe o Congresso).

Caio Narcio, um dos membros da comissão criada por Aécio, diz que essa era a ideia inicial, mas que o processo eleitoral teve de ser "simplificado" para cumprir os prazos estabelecidos. Segundo ele, "o presidente estadual terá a missão de ouvir a militância e trazer a decisão da maioria em forma de voto". Narcio afirmou, no entanto, que a comissão vai analisar novamente a proposta.

Em fóruns pela internet e conversas pelas redes sociais, os jovens tucanos pró-Serra são bastante críticos a Aécio. A avaliação desse grupo é de que restringir a participação da militância na eleição da juventude do PSDB deslegitima o processo.

"Se o Aécio não deixa a militância escolher o presidente da Juventude, imagina escolher o candidato a presidente da República", alfineta Goggi.

Nesta semana, Serra tornou pública sua intenção de disputar com o senador mineiro, caso haja prévias, a indicação do partido para concorrer ao Palácio do Planalto em 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.