José Múcio, do PTB, fica com Marta Suplicy no 2º turno

Apesar de partido estar coligado com Alckmin em São Paulo, ministro diz que 'vai pelo governo'

Angela Lacerda, de O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2008 | 18h22

O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, assegurou neste domingo, 5, no Recife, que apesar de o seu partido, PTB, estar coligado ao PSDB de Geraldo Alckmin, ele, como ministro, estará com o governo federal no segundo turno, e apoiará Marta Suplicy. Isto, destacou o ministro, no caso de o presidente Lula considerar importante e autorizar que ele faça campanha na capital paulista.   Veja Também: Especial: Perfil dos candidatos  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  Ibope: Veja números das últimas pesquisas   Gabeira e Crivella disputam para enfrentar Paes no 2º turno Em Recife, petista João da Costa deve ser eleito no 1º turno Marta e Kassab devem se enfrentar no segundo turno, diz Ibope   "Em São Paulo, vou pelo governo", disse. "Minha função é aproximar as diferenças, vou sempre pelo que for melhor para o governo". Já a postura a ser adotada pelo PTB paulistano no segundo turno, com uma derrota de Alckmin, caberá ao presidente nacional do partido, Roberto Jefferson, e ao presidente do partido em São Paulo e que foi candidato a vice do tucano, Campos Machado.   Na avaliação do ministro, o PTB irá tomar partido por uma das duas candidaturas e, como Jefferson respeita muito a questão local, a decisão, ao seu ver, deverá caber a Campos Machado."A questão afetiva nessas horas pesa muito", alertou, prevendo dificuldade de aproximação do PTB com o DEM. "Campos Machado tem uma relação muito grande com Alckmin, eles são amigos de muitos anos, parceiros, a relação deles é mais forte que a dos partidos".   O ministro deu entrevista no início da tarde, logo depois de votar no Colégio Santa Maria, no bairro de Boa Viagem, na zona sul, e viajou em seguida para Brasília, onde foi montada uma central de apuração das eleições em todo o País. Ele explicou que a reunião, para discutir a crise econômica, hoje (6) foi marcada porque esse era o único dia livre dos ministros da área econômica Guido Mantega e Henrique Meireles antes de viajarem para Nova York. Na volta dos ministros, o presidente Lula é que estará fora, para visitar a Espanha e a África.   O encontro começa às 15 horas, sem hora para terminar, de acordo com José Múcio. Será para informar aos deputados e senadores porque o Brasil ainda não foi atingido pela crise internacional. "Não é que estamos imunes, mas ainda não contraímos o vírus da crise". Ele reconhece que no dia seguinte das eleições municipais, "não vai dar para não falar sobre política".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.