Jornal diz que crise na Petrobrás contribui para incerteza eleitoral

'The New York Times', em reportagem de página inteira, conta a história do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa

O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2014 | 12h14

 O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, delator de um esquema de corrupção na empresa, é tema central de uma reportagem de página inteira na edição de hoje do principal jornal dos Estados Unidos, o The New York Times. As denúncias do esquema de proporções "épicas" de Costa estão contribuindo para aumentar a incerteza na reta final da corrida presidencial, destaca o texto.

A reportagem, assinada pelo correspondente do jornal no Brasil, Simon Romero, começa contando a história de Costa, que vivia o sonho que todo homem de petróleo tem. Ela dono de um iate, um carro blindado e tinha mais de US$ 25 milhões em bancos no exterior. Mas com ele envolvido no esquema de corrupção da Petrobras, o sonho acabou recentemente e o engenheiro e ex-diretor da empresa pode perder tudo isso, destaca o Times.

O texto cita as denúncias de Costa envolvendo o pagamento de até 3% do valor de contratos da Petrobras para o Partido dos Trabalhadores (PT). A reportagem também destaca a denúncia mais recente, de que o ex-presidente do PSDB também recebeu propina da petroleira. "O depoimento de Costa está tumultuando uma já tumultuada corrida presidencial", destaca o jornal.

"O caso tem sido um importante desafio para a presidente Dilma Rousseff", afirma o Times, destacando que ela presidiu o conselho da Petrobras durante o período em que Costa disse que montou o esquema de corrupção e ainda escolhe quem vai comandar a empresa. 

O Times ressalta ainda na reportagem que o escândalo na Petrobras traz à tona duas visões diferentes de como a petroleira, "que fez uma das maiores descobertas de petróleo deste século", deve ser gerenciada. Desde que assumiu a presidência do Brasil, Dilma aumentou o controle estatal na empresa. Já o candidato do PSDB, Aécio Neves, declarou que as denúncias de corrupção na empresa mostraram que sua administração ficou muito politizada, de acordo com o jornal. (Altamiro Silva Junior, correspondente

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.