Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Joice diz que campanha não é deficitária e culpa burocracia por dados da Justiça Eleitoral

Durante sabatina na Rádio Eldorado, candidata do PSL afirmou que prestação de contas tem delay entre repasses e compensação na conta dos candidatos

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2020 | 09h05
Atualizado 27 de outubro de 2020 | 10h22

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL), candidata à Prefeitura de São Paulo, negou nesta terça-feira, 27, que sua campanha seja deficitária. De acordo com a candidata do PSL, um delay entra a disponibilização do recurso e a compensação do valor na conta do candidato geram um descompasso momentâneo.

"Entre o valor que sai do fundo (eleitoral) para entrar na conta do candidato, tem um 'delay' de 72 horas. Ontem mesmo já houve mais uma liberação de um pequeno valor da nacional para a campanha aqui em São Paulo, que vai equilibrar isso", afirmou a candidata.

A declaração da candidata foi feita durante a sabatina realizada pela Rádio Eldorado, em resposta a um questionamento sobre o déficit em sua campanha. Como mostrou reportagem do Estadão desta terça, nove das 14 campanhas que disputam a Prefeitura de São Paulo declararam mais despesas que receitas, de acordo com dados informados à Justiça Eleitoral até o último domingo, 25, quando se encerrou a primeira parcial de prestação de contas. A campanha de Joice foi uma delas.

A candidata explicou o processo e culpou a burocracia da prestação de contas pelo atraso na atualização do valor - apesar de defender o rigor na fiscalização dos gastos de campanha.

"Os valores são liberados no momento em que os recibos são encaminhados. Tem toda uma tramitação burocrática, dentro do meu partido tem compliance, então é tudo bem 'chatinho' e é assim que tem que ser. Quando se trata desse tipo de verba, tem que ser tudo muito certinho, muito 'corretinho' mesmo."

Redução de IPTU em 20%

Sobre seu plano de governo, Joice afirmou que pretende cortar o IPTU sobre imóveis comerciais e residenciais em 20%, linearmente. De acordo com a candidata, o plano foi traçado por uma equipe econômica que inclui ex-secretários de gestões estadual e municipal de São Paulo e por representantes da iniciativa privada.

Para Entender

Veja propostas de Joice Hasselmann

Confira quais são os principais pontos do plano de governo da candidata do PSL para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

"Para o comércio, eu quero pegar as dívidas desse ano, porque muita gente está endividada por conta da pandemia, teve o comércio fechado por conta da pandemia, e não tem o que fazer. Eu vou jogar essa dívida lá para frente, para 2023, parcelado e sem juros, porque os juros hoje, do IPTU em São Paulo é um assalto à mão armada. E vou congelar o IPTU de 2022 e 2023", afirmou.

Ainda de acordo com a candidata, o corte significaria uma redução de R$ 2 bilhões na arrecadação, o que seria compensado pelas novas diretrizes para o transporte público, que deve economizar R$ 4 bilhões.

'Prova cabal' da máfia dos transportes

No setor de transportes, Joice se comprometeu a entrar com ações judiciais contra empresas que integram o que ela chamou de 'máfia dos transportes' no primeiro mês de gestão. "Vou romper esses contratos. Eu tenho prova cabal de que a licitação foi direcionada, logo, fraudada", afirmou.

"Hoje, as empresas fazem o que querem e bem entendem, porque têm um aliado muito importante, a máfia do transporte. Nisso tem crime organizado e tem os agentes da própria prefeitura. A gente tem que romper esses contratos."

Para Entender

Quem é Joice Hasselmann? Conheça a candidata do PSL à Prefeitura de São Paulo

A deputada federal tenta atrair o voto da direita lavajatista, ao mesmo tempo em que se distancia do bolsonarismo

Ainda quanto aos transportes, Joice afirma que não haverá aumento de tarifa na sua gestão e que, para isso, pretende abrir a concorrência para empresas de outros municípios, estados e países.

"Eu vou abrir concorrência internacional. Aqui em São Paulo, sempre são as mesmas empresas que ganham, e sempre são elas que ganham porque as licitações são direcionadas para que a empresas sejam donas da garagem. Que empresa, sem ser as que estão aqui em São Paulo, é dona de garagem de ônibus?", questionou, afirmando que as garagens passarão a ser da prefeitura, para ampliar o número de concorrentes.

Uso do fundo eleitoral pelo PSL

Joice também foi questionada sobre o financiamento de campanhas pelo PSL e sua postura quanto a nova polêmica envolvendo o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Investigado após suspeita de operar um esquema de candidaturas laranjas nas eleições de 2018, Marcelo Álvaro voltou ao noticiário após sua ex-mulher, Janaína Cardoso, receber R$ 690 mil de recursos para sua candidatura a vereadora de Belo Horizonte.

Em sua resposta, Joice dividiu os dois casos. Quanto ao ministro, a candidata lembrou que defendeu a demissão dele do governo, mas afirmou que, no caso da ex-mulher dele, não houve ilegalidade, apesar de considerar o repasse como "imoral".

Eu já defendi publicamente a demissão dele (Marcelo Álvaro Antônio), quando eu era líder do governo. Eu disse que o presidente da República, se honrasse a palavra que tinha empenhado com os brasileiros, tinha demitido o Marcelo Álvaro Antônio, e não demitiu. A gente já vê que tem alguma coisa estranha ali. Outra coisa é a ex-mulher do ministro. Eu acho que é imoral o que foi feito, o dinheiro ser encaminhado para ela, mas não é ilegal. É ele que é investigado, e não ela.  E eu não estou defendendo, eu acho uma sacanagem o que fizeram colocando esse dinheiro na conta dela, em detrimento de outras candidatas que tem uma bandeira de fato e defendem o combate à corrupção", afirmou Joice.

"Isso é uma distorção, e quem fez essa distorção foi o presidente do partido municipal, que é o Marcelo Álvaro Antônio. Colocaram a raposa para cuidar do galinheiro. (...) Mas não posso condenar a ex-mulher dele, dizer que ela está em em esquema de corrupção, pedir a expulsão dela ou entrar com uma queixa contra ela no conselho de ética. Qual o crime que ela cometeu?"

As sabatinas da Rádio Eldorado acontecem sempre durante o Jornal Eldorado, às 8h, com duração de 20 minutos. As entrevistas são conduzidas pelos apresentadores Haisem Abaki e Carolina Ercolin, e por um jornalista convidado do Estadão. Participou da sabatina com Joice o repórter Pedro Venceslau. O próximo entrevistado será o candidato Jilmar Tatto, nesta quarta-feira, 28.

Confira o cronograma das sabatinas da Rádio Eldorado:

28/10 - Jilmar Tatto (PT)

29/10 - Orlando Silva (PCdoB)

30/10 - Andrea Matarazzo (PSD)

02/11 - Vera Lúcia (PSTU)

03/11 - Marina Helou (Rede)

04/11 - Levy Fidelix (PRTB)

05/11 - Antônio Carlos (PCO)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.