Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Joaquim Barbosa não descarta concorrer ao Planalto, mas curto prazo para definir partido é empecilho

Em entrevista ao jornalista Pedro Bial, ex-presidente do STF disse estar disposto a entrar no pleito com o intuito de evitar reeleição de Jair Bolsonaro; para isso, precisa se filiar a um novo partido até o dia 2 de abril

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2022 | 02h46

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa afirmou que não descarta concorrer à eleição presidencial em outubro. Ao ser questionado pelo jornalista Pedro Bial se, diante da estagnação da terceira via e da possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro (PL) se reeleger, aceitaria se candidatar ao Palácio do Planalto, o ministro aposentado disse estar disposto a entrar na disputa, mas citou o prazo curto para se filiar a um partido como uma dificuldade. A entrevista de Barbosa foi veiculada na madrugada desta terça-feira, 8. Ele foi o primeiro convidado da nova temporada do programa Conversa com Bial, da TV Globo.

“Em princípio, sim [seria candidato], mas o prazo está muito curto. Eu não tenho mais filiação partidária, me desliguei do PSB. E não procurei nenhum partido, estou tocando a minha vida”, afirmou Barbosa. “Filiação a um partido não é uma coisa tão simples, né? Há partidos que não querem ter candidatos à Presidência. O jogo eleitoral no Brasil mudou muito. A conquista do poder, hoje, não tem como troféu máximo chegar à Presidência da República”, completou ele, cuja passagem no Supremo ficou marcada pela relatoria do inquérito do mensalão, que condenou a cúpula do PT.

No início do ano, o magistrado se desfiliou do PSB, partido pelo qual ensaiou uma candidatura em 2018, quando chegou a alcançar 10% nas pesquisas de intenção de voto. Caso queira disputar a eleição, ele precisará encontrar uma legenda até o dia 2 de abril, data-limite determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para candidatos estarem filiados a algum partido.

Após a saída do PSB, Barbosa afirmou estar “livre e solto”. PSD e União Brasil se mostraram abertos a recebê-lo. O partido presidido por Gilberto Kassab, no entanto, conversa com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), para ser o candidato da legenda.  

Barbosa também afirmou que “jamais votaria em Bolsonaro” e definiu a possibilidade de reeleição do atual presidente como um “desastre”. “Para a sociedade brasileira seria um desastre absoluto. O Brasil é um país estagnado, com milhões de pessoas no desamparo absoluto. Nós temos uma juventude, que vai dos 24 até os 40 anos de idade, que vive um total desassossego”, declarou.

O magistrado disse que um eventual governo seu seria social-democrata, mas diferente do antigo PSDB, o qual ele classificou como “embromador”, e do PT, que, de acordo com o ex-ministro, "mudou a sua natureza” diante de novas pautas.

“Ter alguma ação pedagógica no sentido de mostrar ao Brasil e aos atores sociais, políticos e econômicos qual é a verdadeira natureza do regime econômico do Brasil. Que não é só esse regime ultraliberal. Questão social tem que ser prioritária na agenda de qualquer governo no Brasil”, disse Barbosa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.