Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

João Doria (PSDB) vota em SP e faz 'agradecimento especial' ao padrinho, Alckmin

Candidato estava acompanhado de sua esposa, Bia, do governador Geraldo Alckmin, Dona Lu e de seu vice, Bruno Covas; do local de votação, Doria seguiu para a Igreja do Caxingui

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 10h28

SÃO PAULO - O candidato à Prefeitura de São Paulo João Doria (PSDB) votou na manhã deste domingo, 2, em um colégio do Jardim Paulistano. Ele estava acompanhado de sua esposa, Bia, do governador Geraldo Alckmin, Dona Lu e de seu vice, Bruno Covas. 

Em entrevista coletiva a jornalistas após a votação, Doria fez um "agradecimento muito especial" ao seu padrinho político, o governador. Do local de votação, Doria seguiu para a Igreja do Caxingui.

"Queria aproveitar para fazer um agradecimento muito especial ao governador Geraldo Alckmin que foi o fiador das prévias do PSDB, que representaram um valor democrático desta eleição, permitindo que um não político pudesse disputar as prévias em dois turnos e disputar as eleições, saindo de 3% e chegando ao percentual que nos temos hoje", declarou. 

Mais de uma vez nesta manhã o candidato fez referência às prévias do PSDB como exemplo de democracia. O governador também citou as prévias, falando que Doria começou bem, "com democracia dentro de casa".

A candidatura do empresário foi apoiada desde o princípio por Alckmin, mas gerou conflitos entre outros caciques do Psdb. O racha levou a uma dissidência no PSDB que, na manhã de ontem, fez um manifesto contra a candidatura do peesedebista. O evento foi organizado pelo ex tucano, atual Psd e vice na chapa de Marta, Andréa Matarrazo.

Presidenciais. Quando o governador foi questionado por jornalistas se estaria pensando em se candidatar para presidência em 2018, como Doria já havia defendido antes, ele brincou: "sou canditatissimo ...à presidência do Santos FC".

O candidato, o governador, suas respectivas esposas e Bruno Covas segum agora para o local de votação do Alckmin, no Morumbi. Em seguida, irão juntos para uma missa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.