João Castelo inicia disputa com vantagem em São Luis

Com 2,23% das urnas apuradas, candidato do PSDB lidera disputa com 54,63% dos votos

Redação,

26 de outubro de 2008 | 18h27

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Luis (MA), João Castelo, começou a apuração dos votos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) à frente do adversário Flávio Dino (PC do B). Com 2,23% das urnas apuradas, Castelo liderava com 54,63% dos votos. Já Dino aparecia com 45,37% dos votos. A cidade não tem horário de verão.   Veja também: Geografia do voto: desempenho dos partidos no País  Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos Acompanhe a apuração em tempo real Tire suas dúvidas sobre as eleições    Durante a campanha, Castelo chegou a desdenhar a participação do candidato derrotado em São Paulo, Geraldo Alckmin, durante o segundo turno de sua campanha na capital maranhense. Segundo Castelo, a presença de Alckmin em seu palanque não faria nenhuma diferença expressiva na campanha. Castelo enfrenta o deputado federal do PC do B, Flávio Dino.   Ainda sobre Alckmin, o tucano afirmou que "não há necessidade de se pedir ajuda a líderes nacionais". "Meus eleitores são do Maranhão e eu tenho autonomia e história política para pedir votos sem precisar de ajuda de outros nomes importantes nacionalmente. Se por acaso tivesse que pedir ajuda a algum nome importante do partido na minha campanha, pediria do (José) Serra ou do Aécio (Neves)", disse.   Apesar desse discurso "auto-suficiente", no primeiro turno o candidato do PSDB pediu ajuda do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, para mostrar ao eleitor de São Luís, em seu programa eleitoral, que é possível uma relação "amigável" entre os dois partidos. Castelo era favorito a levar a disputa para o primeiro turno, mas perdeu espaço depois que o presidente Lula passou a pedir votos para Dino, no final do mês de agosto, nas inserções da propaganda da TV do comunista.

Tudo o que sabemos sobre:
São LuisMaranhãoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.