Roberto Castro/Agência Estado
Roberto Castro/Agência Estado

Jaques Wagner reafirma candidatura de Lula à Presidência

Ex-governador da Bahia foi a Curitiba visitar o ex-presidente e reforçou discurso do PT de que não há 'plano B'

Julio Cesar Lima, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 19h51

CURITIBA - O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, voltou a afirmar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, será o candidato do PT nas eleições 2018. Wagner esteve acompanhado do governador do Piauí, Wellington Dias, na visita ao ex-presidente na Polícia Federal, em Curitiba (PR), nesta quinta-feira, 7. 

+ Fim do foro amplia no PT ‘plano B’ para Lula

Lula, que foi condenado a 12 anos e um mês por lavagem de dinheiro e corrupção, será lançado candidato a presidente em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), na sexta-feira, 8.

 "Ele (Lula) me disse: só há duas formas de eu não ser candidato: ou a morte ou se o Judiciário brasileiro resolver rasgar a Constituição". O ex-presidente reforçou o discurso de que não há provas nas acusações da Justiça. Questionado se o PT trabalhava com algum nome alternativo à candidatura de Lula nas eleições 2018, Wagner disse que não há essa possibilidade. 

+ 'Plano B' de Lula na Bahia trabalha para conquistar cadeira no Senado

"Nós (PT) temos nosso candidato e em 15 de agosto nós estaremos inscrevendo Luiz Inácio Lula da Silva candidato a  presidente da República", afirmou. Wagner também negou que esteja ocorrendo um processo de migração de votos de eleitores de Lula para outras candidaturas.

"Considero isso absurdo. Não está dado que ele não é candidato, pelo contrário, a candidatura está confirmada", disse. Além de candidato, Wagner considerou também a possibilidade de Lula fazer alianças para o segundo turno na corrida eleitoral. 

+ Para Jaques Wagner, PT pode ser vice de Ciro Gomes

Já o governador Wellington Dias criticou os institutos de pesquisa que têm excluído o nome de Lula nas avaliações. "Ele é pré-candidato e vai ser oficializado. Qualquer pesquisa séria vai ter que considerá-lo. Estamos falando de um pré-candidato que tem normalmente o dobro do segundo colocado", criticou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.