Jandira diz que Lula ainda vai se posicionar no Rio

A candidata do PCdoB àprefeitura do Rio, Jandira Feghali, atribuiu a ausência dopresidente Luiz Inácio Lula da Silva na cidade à pulverizaçãoda base do governo, com o lançamento de nomes pelo PT, PCdoB,PMDB e PRB. Segundo ela, o racha da esquerda dificulta ainda mais aposição do presidente no Rio, diferentemente do caso de SãoPaulo. "A dificuldade de Lula aparecer em São Paulo é menor,porque nós do PCdoB retiramos a candidatura do Aldo (Rebelo)para ser vice da Marta (Suplicy). Nós cumprimos nosso papelpela unidade em São Paulo", fustigou Jandira, em referência àfalta de contrapartida petista no Rio. "Em algum momento, ele (Lula) vai se posicionar. Quando,também, não sou eu que vou dizer", acrescentou. Em sabatina promovida pelo Grupo Estado, nesta sexta-feira,a candidata tentou desfazer a recente polêmica com seusconcorrentes do PT e do PSOL, depois de ter pedido aoseleitores o voto útil de esquerda -- o que a favoreceriadiretamente por estar em posição de liderança, tecnicamenteempatada com Marcelo Crivella (PRB) e Eduardo Paes (PMDB). A médica disse jamais ter usado essa expressão e negouconflitos com esquerdistas: "No segundo turno, vamos ficar todos juntos, espero que emtorno de mim. Todos eles têm responsabilidade com a cidade,cada um ao seu modo, em sua candidatura. Acho impossível que nosegundo turno esses partidos mais à esquerda não se unifiquemcomigo." FORÇAS ARMADAS Questionada sobre as possíveis incompatibilidades entre umprojeto de governo concebido por um partido comunista e arealidade prática do exercício da prefeitura, Jandira afirmounão ser dogmática. "Acreditamos no socialismo. Mas, num país capitalista, aprefeitura não será socialista. Isso não existe", ponderou ela."A prefeitura apenas comanda a política. Por exemplo, quem vaicomandar o transporte público é a prefeitura. Os empresáriosvão ter que cumprir a política da prefeitura eleita. Isso nãoimpede fazer licitações nem a atuação de concessionárias naárea." Jandira voltou a dizer que é contrária à presença dasForças Armadas em favelas cariocas e criticou a atuação dosguardas municipais na repressão dos camelôs da cidade: "Baterem vendedor ambulante? Na minha gestão, não bate." Caso seja eleita, a médica prometeu começar o mandato, emjaneiro de 2009, auge do verão, fazendo mutirão contra a denguenas ruas da cidade.(Reportagem de Carla Marques)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.