CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO

Janaína Paschoal sobre chapa com Bolsonaro: 'dupla poderá revolucionar o País'

A advogada diz que não foi convidada pelo deputado Jair Bolsonaro (PSL) para a vaga de candidata a vice-presidente nas eleições 2018 e que vai decidir o seu caminho 'conforme a evolução do cenário político'

Elizabeth Lopes e Ana Neira, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2018 | 09h27

Filiada ao PSL, a advogado Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, e cotada para ser vice na chapa do presidenciável de seu partido, Jair Bolsonaro, nas eleições 2018disse nesta quinta-feira, 19, em entrevista à Rádio Eldorado, que ainda não recebeu nenhum convite para essa empreitada. "Não tenho como responder (se aceita ou não ser vice na chapa de Bolsonaro) porque nada me foi perguntado". Contudo, se mostrou otimista com a possibilidade, dizendo: "Se essa dupla acontecer, será para revolucionar o País."

Na entrevista, Janaína disse que não conhece Bolsonaro pessoalmente e que falou com ele por telefone quando se filiou ao PSL. E após a desistência do PRP em compor com o deputado, indicando o general da reserva Augusto Heleno Ribeiro como vice em sua chapa, seu telefone não parou mais de tocar, com as pessoas pedindo para ela aceitar o convite para ser vice. "Que não ocorreu", insistiu. Na sua avaliação, Bolsonaro deve estar refletindo sobre o assunto e sobre todas as possibilidades. "Até porque sou uma pessoa difícil, de forte personalidade", emendou.

Mas, segundo Janaína, a forte personalidade de ambos é o fator que poderia revolucionar o Brasil. "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue, são duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o País, seria algo significativo", disse a advogada. E informou que não tem prazo para a definição sobre ser ou não vice na chapa de Bolsonaro. "Não trabalho com deadline, isso é coisa de criança."

Ela também coloca em dúvida se esta seria a decisão correta: "Ainda estou pensando se esse é meu caminho, se devo seguir carreira política", afirmou durante a entrevista. Por enquanto, reforça que prefere aguardar. "Vou me manifestar conforme o cenário [político] se define", disse à rádio.

Em sintonia com o que Bolsonaro disse em sua conta pessoal no Twitter, que seu partido é o povo, numa referência às negativas de PR e PRP em compor uma aliança com sua candidatura nessa corrida presidencial, Janaína também falou na entrevista à Rádio Eldorado que se for mesmo candidata, pretende governar com "o povo".

Cenário político mudou

Questionada sobre a polarização política e a pulverização de candidaturas nas eleições 2018, a advogada avaliou que não há divisão de forças, mas perda da hegemonia da esquerda e mudanças positivas. "Antes eles falavam e todo mundo baixava a cabeça. Agora eles são questionados e não estão acostumados a isso. Outras forças tiveram forças para se levantar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.