Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Bolsonaro chama Moro de 'idiota' e diz que ex-ministro saiu tarde do governo

O presidente da República voltou a atacar o ex-ministro da Justiça. Na véspera, Bolsonaro também disparou contra o ex-juiz da Lava Jato: “Não aguenta 10 segundos de debate”

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2021 | 14h07

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro (Podemos), contra quem deve disputar as eleições de 2022. De acordo com o chefe do Executivo, Moro é “idiota” e deixou o governo “um pouco” tarde. 

“Vem um idiota aí, não vou falar o nome dele: ‘Ah, comigo a economia vai ser inclusiva, sustentável, não sei o que lá…’. Esse cara passou aí um ano e pouco no meu governo, nunca abriu a boca em reunião de ministros. Nada. Sempre de boca fechada”, afirmou Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. “Até que aconteceu a saída. Aconteceu um pouco tarde, mas aconteceu. Agora tem solução para tudo. Estando fora do governo, é fácil”, seguiu o presidente. 

Nessa segunda-feira, 6, Bolsonaro também disparou contra o ex-juiz da Lava Jato. “Não aguenta 10 segundos de debate”, afirmou a apoiadores. Moro respondeu às críticas mais cedo em entrevista ao programa Nova Manhã, da Rádio Nova Brasil FM. “Se você faz um governo minimamente bom, você consegue se reeleger. O presidente está com medo. Com isso, quer ficar desviando o foco das pessoas. Por isso, fica lá ofendendo”, reagiu o ex-ministro. 

Aos apoiadores presentes nesta terça-feira em frente à residência oficial, Bolsonaro também voltou a acenar com uma possível intervenção, no futuro, nas questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “O próximo Enem que vai ser nosso. Se eu pudesse interferir, não seria esse Enem”, afirmou. 

A prova ganhou os holofotes em novembro após o presidente afirmar que as questões deste ano teriam “a cara do governo”. No entanto, especialistas avaliaram o Enem de 2021 como equilibrado. 

Na área da economia, Bolsonaro voltou a criticar a China, o maior parceiro comercial do Brasil, aos simpatizantes “China está fazendo uma base na costa africana. Eu não vou discutir o assunto, é um projeto  de poder no Atlântico sul. A conclusão fica para vocês. Essa é a vida”. 

O The Wall Street Journal informou, nessa segunda-feira, 6, com base em relatórios de inteligência dos Estados Unidos que a China planeja instalar uma base militar permanente na Guiné Equatorial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.