Irmão de Kátia Abreu é acusado de trabalho escravo

Ministério Público do Trabalho libertou, no Tocantins, 56 pessoas de fazenda de André Luiz de Castro Abreu

CÉLIA BRETAS TAHAN , ESPECIAL PARA O ESTADO / PALMAS , O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h03

O servidor do Ministério do Trabalho André Luiz de Castro Abreu, irmão da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), é apontado pela Polícia Federal como proprietário da Fazenda Água Amarela, em Araguatins, no Tocantins, onde 56 trabalhadores foram encontrados pelo Ministério Público do Trabalho em condições análogas à escravidão.

A senadora, líder ruralista no Congresso, preside a Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária (CNA). André Luiz de Castro Abreu divulgou nota na noite da quinta-feira, 30, negando as acusações do MPF.

 

"Não mantenho vínculo societário com a RPC Energética. A relação que possuo com a empresa é de fornecedor, por alugar dois tratores e uma carregadeira, operados diretamente por esta empresa, como consta do contrato de locação, sem nenhuma ingerência de minha parte", diz a nota, acrescentando que ele aguarda "com absoluta tranquilidade" o resultado das investigações.

O resgate dos trabalhadores da fazenda foi feito pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) na segunda-feira, após denúncia da Polícia Federal. De acordo com as investigações da PF, a fazenda pertence à Ferro Gusa do Maranhão Ltda. (Fergumar) e os serviços de corte de eucalipto e de produção de carvão eram tercerizados, estando a cargo da RPC Energética.

No local, os fiscais do Ministério Público do Trabalho encontraram 99 fornos de carvão mineral. O produto servia como matéria-prima para a produção da siderúrgica Fergumar.

Na empresa RPC, consta como proprietário Adenildo da Cruz Souza, que, de acordo com as investigações, seria "laranja". Souza é funcionário da Comércio Atacadista de Produtos Florestais Ltda. (Reflorestar), que pertence a Paulo Bernardes da Silva Júnior.

Silva Júnior tinha procuração para dirigir a RPC , da qual seria o verdadeiro dono, juntamente com Abreu, apurou a PF.

Recrutamento. Os trabalhadores, recrutados no Maranhão, viviam em alojamentos precários, sem água potável nem fossa sanitária. Eram transportados na carroceria de caminhão por motorista sem habilitação e cumpriam regime de 10 a 11 horas, com intervalo de apenas 15 minutos para almoço.

O aliciamento, mediante promessa de salários altos, era feito por Maurício Sobrinho Santos em cidades como Vargem Grande e Açailândia, no Maranhão. Segundo os trabalhadores, Santos cobrava R$ 350 pela passagem de ida para Araguatins. O aliciador foi demitido da RPC em março e readmitido em junho, sem registro, para continuar recebendo o seguro-desemprego.

Os 56 resgatados vão receber indenização de R$ 72,4 milhões, além de seguro-desemprego, mas a RPC se recusou a pagar a passagem deles para as cidades de origem. A empresa recebeu 18 autos de infração.

A Fergumar já tinha sido autuada em 2007, por manter 23 trabalhadores em condições análogas a de escravos numa carvoaria em Dom Eliseu, no Pará, e só foi excluída da lista suja do trabalho escravo por meio de liminar judicial. A Reflorestar também constou na lista de 2008 a 2010, depois de enfrentar o mesmo problema, também em 2007, numa fazenda em Dois Irmãos, no Tocantins.

A siderúrgica teve, ainda, obras embargadas em São João do Paraíso, no Maranhão, pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), por degradação ao meio ambiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.