Investigada intermediou operação de crédito no Banco do Brasil

Ex-chefe de gabinete operou para que uma das empresas envolvidas no esquema obtivesse empréstimos de R$ 48 mi

FÁBIO FABRINI , ALANA RIZZO / BRASÍLIA , FAUSTO MACEDO / SÃO PAULO , O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2012 | 02h01

Do escritório da Presidência em São Paulo, Rosemary Noronha operou para que uma das empresas envolvidas no esquema de compra de pareceres obtivesse crédito de R$ 48 milhões no Banco do Brasil (BB). Acusada pela Polícia Federal de tráfico de influência no governo federal, a ex-chefe de gabinete conseguiu ainda que uma subsidiária da instituição contratasse construtora de sua família por R$ 1,12 milhão.

O inquérito mostra que Rosemary marcou reunião do empresário Carlos César Floriano, do grupo Formitex, com o ex-vice-presidente de crédito do banco, Ricardo Flores. O objetivo era facilitar a ampliação das linhas de financiamento do grupo, que controlava a empresa Tecondi, envolvida na compra de relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) para ocupar áreas do Porto de Santos.

A PF interceptou e-mails nos quais Rosemary acerta com o ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Vieira a aproximação do empresário com o banco. Numa das mensagens, de 25 de abril de 2009, ele explica que o Formitex mantinha no BB crédito de R$ 85 milhões, mas pretendia ampliá-lo.

"Aquela questão do meu amigo do grupo Formitex, que você passou para o dr. Ricardo Flores, não evoluiu. (...) Gostaria que você encaminhasse esses dados técnicos ao dr. Ricardo e, se possível, conseguisse uma agenda para o dr. César Floriano na terça ou quarta da próxima semana, em Brasília (eu pretendo acompanhá-lo)", escreveu.

Flores é amigo de Rosemary e, assim como ela, militante do PT. Ele ocupa hoje a presidência da Brasilprev, companhia de previdência privada do BB. De acordo com o inquérito, o encontro de fato ocorreu na data combinada. Em e-mail enviado a Floriano 12 dias depois, Vieira pede informações sobre a reunião, "ocorrida na terça-feira", recebendo a seguinte resposta: "Esta semana é que deveremos ter alguma manifestação sobre a reunião da semana passada".

Quando as negociações começaram, Flores ainda era vice-presidente de governo do banco. Ele assumiu a área de crédito em 23 de abril de 2009. Na véspera, Rosemary explicava a Vieira que seus pleitos seriam atendidos após a nomeação: "Seus dois pedidos não dependem de mim, mas estão muito bem encaminhados. Eu já te avisei que só serão resolvidos após a posse na nova diretoria, que é amanhã".

Questionado, o BB não se pronunciou, alegando que operações dessa natureza são protegidas por sigilo. Fontes da instituição, no entanto, confirmam que Flores deu entrada no pedido da Formitex. Mas o crédito foi negado, em decisão colegiada. Segundo a PF, Rosemary recebia vantagens para prestar favores a Paulo. Na mesma época da negociação no banco, o ex-diretor providenciava viagem de cruzeiro para ela.

Em maio de 2010, a Cobra Tecnologia, do grupo BB, firmou contrato, sem licitação, com a construtora New Talent, registrada em nome de Carlo Alexandro Damasco Torres e Noêmia Oliveira Vasconcelos, genro e sogra da ex-chefe de gabinete. À época da contratação, o presidente da empresa era Luiz Carlos Silva, ligado a Flores. O Estado não conseguiu contato com os advogados da ex-chefe de gabinete ontem. Em nota, o ex-diretor de crédito do BB não confirmou nem negou o encontro com o empresário do grupo Formitex. Informou apenas que, no banco, "recebeu em audiência várias pessoas e empresários". O grupo Formitex não respondeu aos telefonemas da reportagem. A Cobra não se pronunciou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.