'Iniciar com 3% dá sorte no final', afirma Padilha

Ministro, que tenta ser candidato do PT em SP, minimizou índice em pesquisa e fez alusão à campanha de Haddad

Rene Moreira, especial para o Estado

14 Junho 2013 | 02h03

RIBEIRÃO PRETO - O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse ontem, num encontro com prefeitos paulistas e ministros, em Ribeirão Preto, que "quem começa com 3% dá sorte no final".

Cotado para disputar o governo do Estado em 2014 pelo PT, ele fazia uma analogia com as situações vividas por Dilma Rousseff, no início de 2010, e Fernando Haddad, no início de 2012: ambos estavam mal nas pesquisas e acabaram vencendo. O ministro da Saúde obteve os índices mais baixos entre os potenciais nomes do PT na última simulação feita pelo Datafolha.

Ao ser questionado sobre as eleições, Padilha ponderou que o PT conta com outros nomes para a disputa pelo Bandeirantes e citou os ministros Aloizio Mercadante (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Marta Suplicy (Cultura).

No encontro, em que mais de 200 prefeitos, vices e secretários municipais estavam atrás de recursos, o ministro da Saúde discursou por mais de uma hora e anunciou que o governo vai investir mais R$ 30 milhões em saúde pública dos municípios. No evento, 213 prefeituras assinaram os termos de adesão ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), que já previa R$ 450 milhões.

Crescendo. Presente no evento, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, defendeu a ação econômica do governo: "Estamos crescendo em proporções bem superiores a outras épocas". Já Ideli Salvatti (Relações Institucionais) defendeu os prefeitos: "Reivindicar e reclamar faz parte da função". Lá estavam também representantes e técnicos de todos os ministérios e até da Caixa Econômica e da Petrobrás. O plano do governo é promover três encontros do gênero em São Paulo, talvez dois em Minas Gerais e um em cada um dos demais Estados.

Um grande salão foi reservado para que os prefeitos apresentassem seus projetos. O tucano Alexandre Ferreira, prefeito de Franca, pediu R$ 60 milhões - para mobilidade urbana, combate ao crack e ciclovias. Marcelo Mian (PT), prefeito de São Joaquim da Barra, pediu ajuda nas áreas de saúde, educação e esportes, além de obras no PAC 2. "Isso facilita porque não temos de ir a Brasília, mas não garante nenhum recurso", afirmou Ferreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.