FABIO MOTTA|ESTADÃO
FABIO MOTTA|ESTADÃO

Indio apoia Crivella e exige saída de Garotinho

Candidato derrotado à prefeitura do Rio, deputado do PSD condiciona aliança à exclusão de ex-governador de campanha e eventual governo

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2016 | 23h40

RIO - Candidato à prefeitura do Rio pelo PSD no primeiro turno, o deputado federal Indio da Costa selou nesta quarta-feira, 12, aliança com Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado pela Igreja Universal do Reino de Deus que lidera as pesquisas de intenções de voto na cidade nesta segunda fase das eleições municipais. O apoio, no entanto, foi condicionado à exclusão do ex-governador fluminense Anthony Garotinho (PR) da campanha e da equipe de um possível governo de Crivella, caso seja eleito. 

“O número um é que não haverá a participação do ex-governador Anthony Garotinho no governo municipal nem apoio a qualquer cargo que venha a disputar em 2018”, afirmou Indio.

Na sede do PSD, Indio entregou uma carta a Crivella com as suas exigências. Católico, o deputado federal impôs que a Igreja Universal não estipule a obrigatoriedade do ensino religioso nas escolas públicas. 

Apesar das divergências religiosas, Indio disse ter mais proximidade com Crivella do que com o que considera “radicalismo” da esquerda de Marcelo Freixo, candidato à prefeitura do Rio pelo PSOL. 

Em resposta, Crivella prometeu que, se eleito, não vai aparelhar o Estado com lideranças da Igreja Universal. “Também não há nenhum compromisso, nem houve antes com relação ao PR, com relação ao ex-governador Anthony Garotinho. Espero que esse assunto se encerre. Pode ser que não se encerre apenas no discurso desesperado do Freixo”, afirmou.

A assessoria de imprensa de Anthony Garotinho foi procurada pela reportagem, mas, até a conclusão desta edição, o ex-governador não havia se manifestado sobre as condições impostas por Indio.

Resistência. Último candidato derrotado a se posicionar no segundo turno, Indio contou ter resistido à aliança com o PRB em um primeiro momento, mas que, por fim, avaliou que a “proximidade dos programas (dos dois partidos) é enorme”. 

Além de pedir a transferências dos 9% de votos que recebeu na primeira fase da eleição, Indio convocou os eleitores dos demais candidatos derrotados – Pedro Paulo (PMDB), Carlos Osório (PSDB) e Flávio Bolsonaro (PSC) – a formar uma aliança de centro e votar em Crivella. “O centro (político no Rio) esteve dividido (no primeiro turno). E quem representa o centro neste momento é o Crivella”, afirmou Indio.

Em campanha ao lado do vereador mais votado em São Paulo, Eduardo Suplicy (PT), Freixo rebateu a acusação de que a esquerda carioca é radical do ponto de vista ideológico e minimizou o caráter religioso das eleições do Rio. “Não estou numa cruzada santa. Estou numa disputa pela prefeitura do Rio”, declarou Freixo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.