Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Indicado de Barbosa para gerir fundo milionário é contestado

Entidades vetam nome de jornalista amigo do presidente do STF para gerir previdência

Felipe Recondo - O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2013 | 02h09

BRASÍLIA - Associações de classe da magistratura contestaram a nomeação do jornalista Wellington Geraldo Silva, assessor de imprensa do Supremo Tribunal Federal (STF) e amigo do presidente da Corte, Joaquim Barbosa, para presidir o milionário fundo de previdência complementar do Judiciário.

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) estuda a possibilidade de anular a indicação. A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) considera estranha a nomeação de alguém de fora da carreira para presidir o conselho deliberativo.

O presidente da Anamatra, Renato Henry Sant'Anna, afirmou que os integrantes do conselho deliberativo deveriam ser vinculados ao Judiciário. Acrescentou que a nomeação do assessor de confiança do presidente do STF, e que prepara uma biografia sobre Barbosa, pode violar os princípios da impessoalidade, da eficiência, da moralidade e da transparência.

"Por lógica, o conselho deve ser ocupado por pessoas que sejam vinculadas ao dinheiro (como contribuinte e beneficiário), até para que haja uma sensação de autorresponsabilidade", afirmou o presidente da Anamatra.

Sant'Anna defendeu ainda que as indicações sejam feitas com base na competência e qualificação do profissional. "O indicado não é aquele que é legal, admirador. Quando se diz que ele está fazendo uma biografia, é quase como um súdito."

Nino Toldo, presidente da Ajufe, disse não considerar normal indicar alguém de fora da carreira do Judiciário para presidir o conselho, incumbido de nortear a política de investimentos do fundo. "É estranho que tenha sido nomeado alguém que não integra o quadro de servidores efetivos do Poder Judiciário. Não é comum que quem não seja beneficiário do fundo venha a integrar o seu conselho", afirmou.

A lei que criou o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais não veda a escolha de pessoas de fora da carreira, como é o caso de Wellington Silva. Mesmo assim, ressalta o presidente da Anamatra, a indicação deve respeitar os princípios constitucionais. "O cargo é de livre nomeação, mas tem que preservar a impessoalidade, moralidade, eficiência e transparência", disse.

Além dessas ponderações, a associação admite contestar a qualificação de Silva para presidir o conselho diretivo do fundo. "A indicação precisa ser melhor avaliada sob a ótica dos princípios que devem nortear a administração pública", completa o presidente da Anamatra.

Wellington Silva informou ser formado em Comunicação Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e ter pós-graduação em Marketing e Administração pela Escola de Negócios da UFRJ, e em Governança Corporativa pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC). Ele afirmou ainda ter qualificação para o cargo, pois foi gerente de Comunicação da Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil, por ter participado de congressos sobre fundos de previdência e ter integrado conselhos de grandes empresas. Ele nega que esteja escrevendo neste momento biografia do ministro, mas admitiu ter este projeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.