Incra decide varrer cadastro rural em busca de erros

Medida foi anunciada após 'Estado' revelar que o Brasil dos cartórios é 600 mil km² maior do que a dimensão real do território

Rodão Arruda, de O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2013 | 02h06

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) deve realizar, ainda no primeiro trimestre, uma varredura de todas as informações disponíveis de registros de terras no País para corrigir eventuais erros e coibir fraudes. A medida foi anunciada após reportagem do Estado de domingo revelar que a área de terras registradas em cartórios brasileiros é 600 mil km² maior do que a superfície real do País. A diferença equivale a duas vezes o território do Estado de São Paulo.

A autarquia informou ainda, por meio de nota, que está investindo na melhoria do cadastro de imóveis rurais no País e que seus técnicos estão trabalhando em várias frentes, com o apoio do Exército e também do Ministério do Meio Ambiente.

Reportagem do Estado mostrou que as terras registradas em cartórios equivalem a 9,1 milhão de km², enquanto a superfície real do País, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 8,5 milhões de km². Os dados foram levantados pelo Sindicato Nacional de Peritos Federais Agrários.

Uma das providências anunciadas pelo Incra, já em andamento, é a associação de informações do cadastro com a base de mapas do IBGE, para evitar o problema da sobreposição de áreas nos registros em cartório. O cadastro também está sendo cotejado com dados de georreferenciamento.

O Incra não negou a existência de problemas. Mas assegurou que os erros estão sendo corrigidos e que a varredura permitirá identificar os focos críticos de sobrecadastramento e suas razões.

Certificados. A autarquia também informou que foram tomadas providências para diminuir a lentidão na análise dos certificados de propriedade rural - uma das principais causas da existência de grande número de áreas com sobrecadastro.

Até meados do ano passado eram emitidas, em média, 20 certificações de imóveis por dia. Atualmente o número chega a 140.

Com a mudança, o Incra registrou em 2012 o maior número de certificações de imóveis dos últimos oito anos, segundo seus dirigentes. Foram 9.636 imóveis, com uma área total de 23,6 milhões de hectares.

"Em todos esses casos existe a segurança de que os limites não se sobrepõem a outros imóveis e que o georreferenciamento foi realizado conforme as especificações técnicas legais", informou a instituição.

Exército. Os avanços estão relacionados em grande parte à parceria que o Incra mantém com o Exército para serviços de georreferenciamento.

No caso do Ministério do Meio Ambiente foi firmado no ano passado um convênio, no valor de R$ 5 milhões, para aquisição de imagens de alta resolução, usadas como base apoio para o cadastro.

O Incra também informou que ainda em fevereiro a recepção de informações do Sistema de Gestão Fundiária (Sigef) será automatizada. Isso significa que os técnicos não vão mais protocolar os dados físicos em uma unidade do Incra: eles serão enviados diretamente à base central de dados pela internet.

"O Sigef é uma ferramenta eletrônica criada para enviar, recepcionar, validar, organizar e disponibilizar dados georreferenciados de imóveis rurais", explicou o Incra em sua nota.

"O novo sistema é capaz de analisar sobreposição com o cadastro georreferenciado do Incra e gerar planta e memorial descritivo de forma automática", dia ainda a nota divulgada pelo instituto ontem.

Acervo fundiário. As pessoas interessadas em consultar os dados do acervo fundiário brasileiro - que contém plantas e informações sobre imóveis rurais em todo o País - podem fazê-lo por meio da internet.

As informações estão no endereço acervofundiario.incra.gov.br/i3geo.

No conjunto, abrangem 93% da área dos estabelecimentos agropecuários identificada no Censo Agropecuário de 2006, de 320 milhões de hectares.

Tudo o que sabemos sobre:
incra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.