Incêndio em porta-aviões da Marinha deixa um morto

Um incêndio no porta-aviões São Paulo deixou um marinheiro morto e um ferido na madrugada de ontem, no Rio. O fogo ocorreu por volta das 3 horas em um alojamento dos tripulantes, na popa do navio.

ALESSANDRA SARAIVA / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2012 | 03h04

A Marinha trabalha com a hipótese de pane elétrica e instaurou inquérito para apurar o caso. Peritos foram à Ilha das Cobras, na Baía de Guanabara, onde a embarcação está fundeada, em busca de evidências que subsidiem a investigação.

Quando o fogo começou, os dois militares não conseguiram sair do alojamento e foram resgatados pelos colegas. Um dos feridos, Carlos Alexandre dos Santos Oliveira, morreu por volta das 5 horas. O outro, José de Oliveira Lima Neto, está internado da UTI do Hospital Marcílio Dias, com quadro estável. O comando da Força classificou o incêndio como de pequeno vulto e afirmou que foi controlado antes que atingisse áreas estratégicas do navio. As operações da embarcação não serão afetadas.

Reparos. O fogo de ontem foi mais um incidente da série que marca o São Paulo, comprado da França, em 2000, por US$ 12 milhões. Em maio de 2005, o porta-aviões sofreu rompimento de uma rede de vapor, causando um incêndio que matou três tripulantes. O reparo não levaria mais de seis meses, mas a Marinha antecipou uma manutenção preventiva, que duraria dois anos.

Em 2007, parte dos reparos foi concluída, mas o eixo propulsor direito apresentou problemas e precisou ser substituído. Os militares aproveitaram para modernizar a planta propulsora dos caças e revisar equipamentos. O custo foi de R$ 80 milhões.

O porta-aviões deixou o cais em 2009, após quatro anos fora de operação. Em agosto daquele ano, ocorreriam as primeiras provas de mar desde 2005, mas novas avarias estenderam os trabalhos e o porta-aviões só voltou aos testes em 2010.

Com 266 metros de comprimento, o São Paulo é a maior embarcação da Armada e o único porta-aviões da América do Sul. Construído entre 1957 e 1960, pode transportar até 37 aviões, além de helicópteros, e tem capacidade para 1.030 homens. / COLABOROU ALEXANDRE RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.