Igrejas são usadas como espécie de comitê informal

Templos religiosos da zona sul de São Paulo fazem parte da estrutura de campanha do candidato do PRB à Prefeitura, Celso Russomanno. Ele tem o apoio da Igreja Universal do Reino de Deus, que mantém ligação com o PRB e a TV Record (emissora na qual o candidato trabalha como apresentador), e de uma ala da Assembleia de Deus, o Ministério em Santo Amaro. As sedes paulistanas das duas denominações funcionam como "comitês informais" de Russomanno, apesar de a legislação eleitoral proibir qualquer tipo de propaganda dentro de igrejas e prever multa entre R$ 2 mil e R$ 8 mil para a prática.

O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2012 | 03h04

Conforme o Estado revelou na sexta-feira, o Ministério em Santo Amaro produziu folhetos de recomendação e estabeleceu meta aos pastores: trazer cem votos cada para Russomanno. Um pastor também pediu voto ao candidato no altar. Ontem, o jornal Folha de S.Paulo mostrou que a Universal serve como ponto de encontro de equipes de cabos eleitorais do candidato. Alguns são obreiros das igrejas. Russomanno louva o apoio de todas as denominações e agendou encontros com umbandistas e católicos para tentar se desvincular da Universal. "Eu sou religioso, me respeite. Por favor, me respeite como religioso", pediu ontem em missa no centro. Russomanno se nega a comentar os pedidos de voto feitos em templos.

Sem ter conseguido apoio formal de evangélicos, Fernando Haddad (PT) criticou ontem o adversário: "Temos que combater a intolerância religiosa, mas não podemos partidarizar a igreja".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.