Ideli terá de explicar lanchas da Pesca

Deputados aliados votaram em comissão da Câmara pela convocação da ministra para falar sobre denúncias envolvendo sua antiga pasta

EUGÊNIA LOPES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2012 | 03h01

Com a ajuda da base aliada, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou ontem a convocação da ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) para explicar as denúncias de irregularidades na compra de 28 lanchas pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, publicadas pelo Estado há duas semanas.

Insatisfeitos com a demora na liberação de verbas orçamentárias e no preenchimento de cargos de segundo escalão e com a decisão do Palácio do Planalto de apoiar a criação da CPI do Cachoeira, deputados aliados resolveram votar a favor da convocação da ministra, derrotando o governo por oito a sete na comissão. A data do depoimento da ministra - que é obrigada a comparecer - ainda não foi marcada.

A vitória da oposição só foi possível porque cinco deputados da base governista - dois do PP, dois do PR e um do PMDB - votaram pela convocação de Ideli.

"Foi uma derrota apertada e equivocada. Tivemos parlamentares da base do governo que votaram a favor da convocação, o que identifica um problema político. Foi também um problema de quórum porque deputados do PMDB foram embora da sessão", lamentou o vice-líder do governo, Odair Cunha (PT-MG).

"Eu diria que foi uma mistura de vacilo, cochilo do governo com a insatisfação da base aliada", resumiu o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), autor do requerimento de convocação.

Em nota divulgada ontem pelo Ministério das Relações Institucionais, Ideli negou qualquer envolvimento com irregularidades na compra das lanchas. Ao garantir não ter relações com a Intech Boating, a ministra argumentou que nos cinco meses em que esteve à frente da Pesca "não assinou e não firmou nenhum novo contrato ou convênio".

"Devido aos deveres intrínsecos ao cargo, executou os contratos e convênios sobre os quais não recaíam quaisquer vetos dos órgãos fiscalizadores", diz a nota. A ministra afirmou ainda que sua campanha ao governo de Santa Catarina não foi beneficiada com doações da Intech Boating.

Troca. A convocação de Ideli foi aprovada depois que a Comissão de Fiscalização e Controle desistiu de votar requerimento de convocação do ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Por interferência do líder do PMDB, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), que foi pessoalmente à comissão, o pedido para arguir Padilha não foi votado.

Em troca, o líder garantiu que o ministro da Saúde irá comparecer na semana que vem à comissão para explicar as denúncias envolvendo um ex-assessor do ministério e hospitais federais do Rio. A posição de Alves irritou, no entanto, os peemedebistas, que preferiram se retirar da comissão e não votaram a convocação de Ideli, permitindo a vitória da oposição.

Há 13 dias, o Estado revelou que em 2009 o Ministério da Pesca comprou 28 lanchas-patrulha. O valor do contrato chegou a R$ 31 milhões. Parte da conta, cerca de R$ 5,2 milhões, foi paga já na gestão de Ideli, no início do ano passado. A pedido do ministério, o dono da fabricante das lanchas, a Intech Boating, doou R$ 150 mil ao comitê financeiro do PT de Santa Catarina, que bancou 81% dos custos da campanha de Ideli ao governo do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.