Werther Santana/Estadão
 Em meio a pandemia do novo coronavírus, Saúde é o maior problema da capital Werther Santana/Estadão

Ibope: Saúde é o maior problema da capital, dizem eleitores

Em meio à crise do novo coronavírus, setor é o mais citado: 47%; em segundo lugar vem o transporte coletivo (14%)

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 05h00

Em plena pandemia do novo coronavírus, a maior parte dos paulistanos considera a saúde a área mais problemática da cidade. Segundo a pesquisa Ibope encomendada pela Associação Comercial de São Paulo e publicada em parceria com o Estado, 47% citam o setor como aquele em que a população enfrenta os maiores problemas.

Em um distante segundo lugar aparece o transporte coletivo (14%). Empatadas tecnicamente, a segurança pública e a educação vêm a seguir, com 9% e 7%, respectivamente.

Os entrevistados pelo Ibope puderam escolher as áreas mais problemáticas em uma lista de 20 itens. Considerando não apenas o primeiro item escolhido, mas também o segundo e o terceiro, a saúde novamente fica em primeiro lugar, aparecendo em 75% das respostas. Nesse caso, porém, a educação (44%) e a segurança (38%) ultrapassam o item transporte coletivo (33%).

Pesquisa para prefeito de São Paulo

Dados da pesquisa sobre as preferências eleitorais dos paulistanos, divulgados no domingo, animaram alguns pré-candidatos. “Não é o momento de discutir eleição, mas a pesquisa consolida o nome de Bruno Covas e deixa claro que não há um plano B para o PSDB”, disse o secretário da Civil da Prefeitura, Orlando Faria, um dos mais próximos auxiliares do prefeito tucano, que registrou 18% das intenções de voto, atrás apenas do deputado Celso Russomanno (Republicanos), com 24%. Procurado, Russomanno não se manifestou. 

Com 9% das intenções de voto, o ex-governador Márcio França (PSB) previu uma polarização. “São Paulo é tão forte que cria uma polarização em relação ao Brasil”, afirmou. 

Guilherme Boulos, do PSOL, que recebeu 6% das intenções de voto, disse: “Não é o momento de pensar em eleição, mas ser o nome mais bem posicionado na esquerda é gratificante.” / COLABOROU  PEDRO VENCESLAU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.