Felipe Rau e Hélvio Romer / Estadão
Felipe Rau e Hélvio Romer / Estadão

Ibope: Doria e França estão tecnicamente empatados no 2º turno

Em pesquisa na 2ª etapa da disputa, tucano tem 52% dos votos válidos e pessebista, 48%; candidatos estão no mesmo patamar considerando a margem de erro, de três pontos

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2018 | 18h50
Atualizado 17 de outubro de 2018 | 22h44

Os candidatos ao governo do Estado de São Paulo João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) estão tecnicamente empatados na disputa no segundo turno das eleições 2018, aponta a mais recente pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta quarta-feira, 17. Doria tem 52% dos votos válidos – quando são excluídos os brancos, nulos e indecisos – e França, 48%. A margem de erro é de três pontos, para mais ou para menos.

Se considerados os votos totais, Doria tem 46% das menções e França, 42%, também empatados tecnicamente. Eleitores que declaram a intenção de votar em branco ou nulo são 10%; 2% não sabem ou preferiram não responder. A pesquisa foi realizada entre os dias 15 e 17 de outubro. Esse é o primeiro levantamento no Estado de São Paulo para o segundo turno.

Na intenção de voto espontânea, quando não há a apresentação do nome dos candidatos, Doria aparece com 28% das intenções de voto, também empatado tecnicamente com França, que tem 26%. Neste caso, um quarto dos entrevistados não soube ou preferiu não opinar (25%), 15% apontaram branco ou nulo e 6% disseram nomes diferentes, que não estão na disputa.

Apesar do empate, quando questionados sobre quem será o próximo governador, independentemente da intenção do eleitor, a maioria respondeu que Doria ocupará o cargo, com 53%, ante 31% de França.

O levantamento também aponta que a rejeição de Doria é a maior – 32% afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum. A de França está em 20%. Também chama a atenção a quantidade de eleitores que não os conhecem – 18% disseram não saber o suficiente sobre o tucano para opinar. No caso de França, o número é de 28%.

A rejeição ao tucano é maior se considerada somente a cidade de São Paulo, onde ele foi eleito em primeiro turno para o cargo de prefeito em 2016, mas deixou o posto em abril deste ano para disputar o governo do Estado. Na capital, 53% dos eleitores afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum. França não tem diferenças significativas de rejeição entre capital e interior – o valor oscila entre 19% e 21%. Por causa dessa diferença, França venceria a disputa se esta ocorresse somente na capital, por 63% a 37% dos votos válidos. Já se considerados somente os municípios do interior, o resultado seria 60% para Doria e 40% para França.

Não há diferenças significativas de voto se consideradas as diferentes faixas de renda familiar. Já se analisada a raça dos eleitores, Doria está à frente entre os brancos – 51% dele ante 36% de França. Já entre os pretos e pardos, há empate, embora França esteja numericamente à frente – 46% dele ante 42% de Doria.

Votos de Skaf no 1º turno se dividem entre Doria e França

O Ibope mostrou ainda a transferência de votos em relação ao primeiro turno. Quem votou em Paulo Skaf (MDB), que até o último momento era favorito para ir ao segundo turno contra Doria, se dividiu entre o tucano (43%) e França (45%). Já os votos de Luiz Marinho (PT), que ficou em quarto lugar, migraram mais para França (69%) do que para Doria (15%).

A pesquisa ouviu 1.512 votantes. O nível de confiança é de 95% – esta é a chance de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. O levantamento foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) com o código SP-07777/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o código N.º BR-07265/2018.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.