Hortolândia, o reduto do PT em terras tucanas

Cidade da região de Campinas foi a única do Estado em que o governador Alckmin não venceu

Fernando Arbex, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2014 | 03h00

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;" CLASS="IMGEMBED

O governador reeleito Geraldo Alckmin (PSDB) teve domínio praticamente absoluto em todo o Estado de São Paulo. Só não venceu em 100% dos 644 municípios porque um deles, com 209.139 habitantes, de acordo com censo do IBGE de 2103, e 138.583 eleitores, conforme o cartório eleitoral local, deu a vitória a Alexandre Padilha (PT): Hortolândia, na região de Campinas.

Lá, Padilha venceu com 38,6% dos votos válidos - 34,9% foram para Alckmin e Paulo Skaf (PMDB) teve 24,1%. Porém, o governador conseguiu reduzir sua desvantagem para o candidato petista em relação ao pleito de 2010 - perdeu por 29,45% a 57,93% para o petista Aloizio Mercadante. 

Líder do PSDB na Câmara Municipal, Ananias José Barbosa ainda não vê o cenário como motivo de comemoração, mas há a esperança de virar o jogo em Hortolândia em 2018. “O partido marca um ponto vermelho em um quadro azul no Estado de São Paulo. Mas, apesar da derrota, a avaliação foi positiva e acreditamos que venceremos aqui já na próxima vez”, afirmou o vereador, que entende que o perfil do eleitorado na cidade ainda favorece o PT.

A renda média no município é de aproximadamente cinco salários mínimos e 7.581 pessoas são beneficiárias do Bolsa Família, programa do governo federal que consolida uma dobradinha petista com a esfera municipal. “É como se nós fôssemos o ‘Nordeste’ paulista”, comparou. 

Antes um distrito de Sumaré, Hortolândia se emancipou em 19 de maio de 1991 e teve Antônio Dias (PMDB) como seu primeiro prefeito, eleito em 1994. Em seguida, o tucano Jair Padovani assumiu o cargo, mas desde 2004 só petistas vencem os pleitos municipais - Angelo Perugini governou por dois mandatos e em 2012 foi substituído por Antonio Meira. 

Segundo o líder do PT na Câmara Municipal, Marcos Antônio Panício, o sucesso do partido na cidade se deve à boa qualidade da administração petista e à parceria entre governos federal e municipal. A renda média do cidadão hortolandense era de R$ 870 em 2005 e hoje é de R$ 3.078.

“Hortolândia cresceu muito desde que o PT assumiu. A Sabesp chegou aqui em 1998, ainda no mandato do PSDB, e prometeu que seria finalizada a rede de esgoto que só alcançava cerca 30% da cidade. Porém, isso só foi acontecer por causa da intervenção da gestão do Perugini’’, exemplificou Mercadão, como o parlamentar é conhecido. 

O PT também teve Angelo Perugini eleito deputado estadual, mas sua eleição ainda pode ser anulada por causa da Lei da Ficha Limpa. Mulher do ex-prefeito, Ana Perugini foi eleita deputada federal.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesHortolândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.