Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Análise: Henrique Meirelles realiza ‘sonho’, mas paga caro

Convencimento para que a cúpula do MDB o bancasse, no entanto, só foi conseguido mediante 'pedágios'

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2018 | 14h09

Não é de hoje que Henrique Meirelles acalenta o sonho de ser candidato a presidente. Conseguiu alcançá-lo nesta quinta-feira, de certa forma contrariando os prognósticos iniciais que davam conta de que o MDB o rifaria na bacia das almas das alianças.

Alguns fatores contribuíram para que isso não acontecesse. E o principal foi o fato de que o MDB, com o peso da impopularidade de Michel Temer, deixou de ser um parceiro atrativo para os candidatos mais competitivos à Presidência.

Partidos como PSDB, DEM e PP, que estão ou estiveram no governo, não escondiam a avaliação de que estar aliado ao MDB significaria um peso que nem o tempo de TV nem a capilaridade da sigla nos Estados compensaria. Assim, meio por exclusão, Meirelles virou, enfim, candidato.

O convencimento para que a cúpula o bancasse, no entanto, só foi conseguido mediante outros “pedágios”. O ex-ministro da Fazenda abriu mão de usar o Fundo Partidário e o fundo eleitoral. Vai bancar a própria campanha. E não economizará: tem um dos mais estrelados times de assessores e marqueteiros entre os postulantes à Presidência.

Além disso, teve de aceitar se expor a doses moderadas de Temer. Uma dessas exposições veio na própria convenção - Temer, à diferença de outros aliados tóxicos, como Aécio Neves, não poupou o candidato de sua presença.

Na TV e nas entrevistas, o ex-banqueiro que faz sua segunda entrada na política terá alguns desafios: vender o slogan “chama o Meirelles” mesmo com a economia andando de lado, propalar sua experiência sem se associar demais a Temer e adquirir algum jogo de cintura.

Terá mais tempo de TV que outros que estão à sua frente nas pesquisas, além dos recursos financeiros. Ainda assim não se trata de aposta fácil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.