Ricardo Stuckert
Ricardo Stuckert

Haddad volta a falar em 'acerto de contas sem ódio' e diz ser 'um homem de respeito'

Candidato do PT na corrida ao Palácio do Planato, Haddad disse ainda que sua eleição significará "a restituição do Brasil aos brasileiros"

Leonardo Augusto / ESPECIAL PARA O ESTADO e Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2018 | 18h38

BETIM -  Em sua primeira viagem de campanha a Minas Gerais depois de confirmado candidato do PT à Presidência da República nas eleições 2018, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, voltou a falar em "acerto de contas sem ódio" nas eleições de outubro, e afirmou ser "um homem de respeito". Haddad fez comício em Betim, na Grande Belo Horizonte. Antes, esteve em Ouro Preto.

Segundo Haddad, depois do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que acompanhou o candidato na passagem por Minas e disputa vaga no Senado pelo Estado, e também da prisão do também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua eleição significará "a restituição do Brasil aos brasileiros".

"Vamos fazer um acerto de contas sem revanchismo, sem ódio. Queremos que vocês, que o povo brasileiro, mande no Brasil. Eles têm que aprender a respeitar o resultado das urnas. O povo vai se lembrar de tudo o que aconteceu" afirmou.

Durante o discurso, em cima de um caminhão de som no Centro de Betim, Haddad disse ainda ser um homem de respeito. "Essa semana completei 30 anos de casado. Então podem me respeitar porque sou homem de respeito" afirmou, aparentemente sem nenhuma provocação por parte de quem acompanhava o comício.

Haddad voltou a criticar o senador Aécio Neves, candidato a deputado federal por Minas, ao falar da presidente cassada Dilma. "Quero cumprimentar essa garota que veio lá do Rio Grande do Sul e botou o senador Aécio Neves pra correr. Correu da raia", disse. Ele afirmou que "Dilma depois de eleita começou a ser sabotada por Eduardo Cunha e Aécio Neves". Em seu discurso, a ex-presidente afirmou ter voltado para o Estado para "derrotar o golpe". Haddad encerra a passagem por Minas com comício em Montes Claros, Região Norte de Minas, à noite.

Proposta para educação

Em Betim, Haddad voltou a propor nesta sexta-feira, 21, uma colaboração entre escolas federais e estaduais como forma de melhorar o ensino público no país. "Toda escola federal, que são as melhores do Brasil, vai adotar uma escola estadual para recuperar o desempenho dos estudantes”, disse Haddad durante ato político na região Metropolitana de Belo Horizonte. O Estado já havia adiantado a colaboração entre as instituições.

Além disso, o candidato petista minimizou a alta taxa de rejeição que vem obtendo nas pesquisas eleitorais. No último Ibope, divulgado na quarta-feira, 19, o postulante à presidência foi o segundo colocado no índice, com 29% de rejeição. Haddad só perde para o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, que tem 42%. “Isso vai se resolver no segundo turno, quando você tem mais tempo para se apresentar. E vai se resolver também no governo, mostrando compromisso com as pessoas”, disse o ex-prefeito de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.