Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Haddad terá de responder por coisas erradas de governo Dilma-Temer, diz Marina

Candidata da Rede cumpriu agenda em Belo Horizonte nesta quarta-feira

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2018 | 17h06

BELO HORIZONTE -  A candidata à Presidência pela Rede nas eleições 2018, Marina Silva, afirmou nesta quarta-feira, 12, que o postulante do PT, Fernando Haddad, terá que responder “pelas coisas erradas” praticadas pela gestão da ex-presidente cassada Dilma Rousseff. Com a entrada de Haddad no pleito no lugar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, impedido de disputar as eleições por ter sido condenado e preso na Lava Jato, Marina Silva afirmou que “agora a eleição começa com todos os candidatos”.

“O Haddad terá que responder porque nos anos de governo Dilma-Temer, o Brasil acabou com as coisas boas que o governo do PT tinha feito, e aumentou as coisas erradas que fez”, afirmou a candidata da Rede, que caminhou pelo centro de Belo Horizonte e pelo Mercado Central da capital mineira. Marina também disse que Haddad deverá explicar principalmente os casos de corrupção e o aumento do desemprego.

O PT anunciou a candidatura de Fernando Haddad em ato realizado na terça-feira, 11, após Lula ser considerado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral, enquadrado na Lei do Ficha Limpa.

Na última pesquisa Ibope divulgada na terça-feira, 11, Marina Silva demonstrou estar perdendo intenção de votos, já que saiu do patamar dos 12% e caiu para 9%. Por conta da margem de erro, a ex-senadora está em situação de empate técnico, junto com Ciro Gomes, do PDT, Geraldo Alckmin, do PSDB, e  Haddad. Jair Bolsonaro, do PSL, lidera a disputa com 26% das intenções de voto.

Sobre a pesquisa, Marina Silva disse que continuará fazendo sua campanha e garantiu que estará no segundo turno. Durante a caminhada pelo Mercado Central, Marina Silva e seus apoiadores ouviram gritos de “Bolsonaro Presidente”. A candidata da Rede respondeu a um eleitor do candidato do PSL com um gesto de coração.

Questionada sobre qual a postura ela adotará com relação ao postulante líder nas pesquisas, a presidenciável lembrou do ataque sofrido por Bolsonaro em um ato de campanha em Juiz de Fora para criticar a proposta de de liberação do porte de armas, defendido pelo deputado federal. “Esse ato violento e inaceitável desmoralizou a proposta de distribuição massiva de armas. Quem tem que proteger a sociedade é o Estado”, disse Marina.

Minas Gerais

 Na caminhada pelo Mercado Central, Marina Silva esteve acompanhada do candidato ao Senado, Kaká Menezes, e pelo vice-prefeito de Belo Horizonte, Paulo Lamac, ambos da Rede. O candidato ao governo do partido, João Batista Mares Guia, não compareceu ao ato de campanha.

Questionada sobre o que fará para resolver a crise financeira vivida pelo governo mineiro, Marina Silva disse que não irá “boicotar” o Estado, retendo repasses federais. “Ajudaremos os Estados e municípios sem fazer nenhum tipo de boicote, em função de não ser do meu partido”, disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.