Ricardo Chicarelli/Estadão
Ricardo Chicarelli/Estadão

Haddad sugere Mario Sergio Cortella para o Ministério da Educação

'Ele acompanhou meu trabalho como ministro e há muito tempo digo que ele deveria pensar em ocupar o Ministério da Educação', escreveu o presidenciável em rede social

Marcelo Osakabe e Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2018 | 11h32

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, postou uma mensagem em seu perfil no Twitter, nesta segunda-feira, sugerindo o nome do filósofo e articulista Mario Sergio Cortella para o Ministério da Educação.

"Sou amigo do Mario Sergio Cortella há anos. Ele acompanhou meu trabalho como ministro e há muito tempo digo que ele deveria pensar em ocupar o Ministério da Educação. Quero montar a equipe dos melhores", escreveu o ex-prefeito da capital paulista.

Cortella não é o primeiro nome cotado pelo presidenciável para compor um eventual ministério. Na semana passada, o petista sugeriu que o empresário Josué Gomes, filho do ex-vice-presidente José Alencar, "tem todas as condições, perfil e sensibilidade social" para chefiar a Fazenda caso ele seja eleito. "Isso é só especulação, sem nenhum fundamento. Nem é o momento para isso (conversas)", desconversou o empresário ao Estado

Na manhã desta segunda, 15, Haddad disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que Cortella é um nome respeitado nacionalmente, e que também conversou com Joaquim Barbosa, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, na semana passada. "Há muito tempo liguei pro Cortella e disse: se eu puder opinar, eu acho que você tem que pensar em ocupar o Ministério da Educação. É um quadro que tem o respeito de todas as forças do País. Fiz esse comentário há tempos atrás". 

Sobre o ex-ministro Barbosa, disse que foi ouvi-lo sobre sugestões para aprimorar o plano de governo. "Estive com Joaquim Barbosa, é uma pessoa que tem 40 anos de serviços públicos prestados ao País. Fui conversar com ele sobre medidas que meu governo tem que tomar para aperfeiçoar o combate à corrupção, a transparência e o reforço às instituições", disse. "Converso com todo mundo e vou montar a equipe dos melhores brasileiros para superar os problemas que estamos vivendo", afirmou, sem confirmar se eles estarão na gestão caso seja eleito. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.