Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Haddad rebate Rosa Weber e diz esperar que TSE cumpra rito normal ao julgar Lula

Ex-prefeito paulistano afirmou que não há precedentes legais para justificar a afirmação da ministra; na terça, ela defendeu que o relator do processo poderia decidir sozinho pela inelegibilidade de um candidato

Ricardo Galhardo, enviado especial, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 13h47

BRASÍLIA - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), candidato a vice e possível substituto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na eleição presidencial, disse nesta quarta-feira, 15, esperar que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cumpra o rito normal ao julgar o registro da candidatura do petista, condenado e preso pela Operação Lava Jato

Na quinta, a ministra Rosa Weber, presidente do TSE, disse que o relator do processo pode decidir sozinho pela inelegibilidade de Lula, que pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Haddad rebateu a ministra e disse não haver precedente legal que justifique a posição de Rosa.

"Acredito que não haja precedência para isso", disse Haddad. "Espero que prevaleça a jurisprudência firmada pelo tribunal", completou. Haddad visitou os cinco manifestantes que fazem greve de fome em defesa da libertação de Lula, participou de uma reunião no apartamento do deputado Carlos Zaratini (PT-SP) e do lançamento de um livro sobre a caravana de Lula pelo Nordeste.

Segundo ele, os advogados do PT devem pedir uma medida cautelar em favor do ex-presidente com base em um artigo da Lei da Ficha Limpa que admite candidaturas de políticos condenados por órgãos colegiados, como é o caso de Lula, desde que haja plausibilidade em recursos protocolados em instâncias superiores. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.