Haddad pede dados sobre hospitais e creches

Equipe de transição quer saber da Prefeitura como está a desapropriação de terrenos para as obras que ele prometeu

FELIPE FRAZÃO, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2012 | 02h03

A equipe de transição de governo do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), decidiu requisitar ontem à Prefeitura informações sobre o estágio de desapropriação dos terrenos e fase de obras da construção dos três novos hospitais municipais e de 172 creches - promessas de campanha. Haddad disse que destinar os terrenos seria a sua primeira ação como prefeito. Os coordenadores da transição petista também solicitaram cópias dos principais contratos da administração, entre eles um dos que Haddad pretende rever: o da inspeção veicular, assinado com a concessionária Controlar. O petista quer extinguir a taxa de R$ 44,36 pelo serviço.

"A questão da Controlar foi um debate da eleição. O prefeito Haddad se comprometeu e vai estudar a melhor maneira de encaminhá-la no início da gestão", disse o vereador Antonio Donato, coordenador de transição após a primeira reunião com secretários do prefeito Gilberto Kassab (PSD) na sede da Prefeitura. "O (contrato) de transportes está acabando, o do lixo se iniciou no governo da Marta (Suplicy) acho que ele não vai rever."

Outros contratos são o de coleta de lixo e da varrição (que inclui ações de zeladoria), o das empresas de ônibus e o das cooperativas de transporte, que termina em julho e precisa de nova licitação.

Os hospitais em Parelheiros, Vila Matilde e Brasilândia fazem parte do programa de governo de Haddad e do plano de metas de Kassab, mas ele não deve entregá-los até o fim do mandato. Kassab também iniciou ano passado e deve deixar para o sucessor um programa de construção e reforma de cerca de 155 escolas e creches pré-moldadas.

Uma das preocupações da equipe petista é a época de enchentes. A Prefeitura tem contratos para limpeza de galerias e de piscinões e anunciou licitação para obras antienchente no valor de R$ 750 milhões, com foco na região do Rio Aricanduva, zona leste, e do Córrego Zavuvus, zona sul - intervenções que constam das metas de Kassab, mas só devem ficar prontas em quatro anos.

Também pediram informação sobre concorrências em curso, como a construção dos 68 quilômetros de corredores de ônibus - meta não concluída por Kassab e prometida por Haddad como parte dos 150 quilômetros almejados pelo petista. O secretário municipal Nelson Hervey (Governo) estimou em uma semana o prazo para entregar a documentação. Kassab determinou que os dados sejam fornecidos o mais rápido possível. Não há data para nova reunião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.