Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

Haddad grava programa eleitoral em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba

'Perseguição a Lula é a mesma que matou Tiradentes e Getúlio Vargas', disse às câmeras da campanha o candidato a vice na chapa petista

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2018 | 20h28

CURITIBA - O candidato a vice-presidente da República na chapa do PT nas eleições 2018, Fernando Haddad, gravou nesta quinta-feira, 16, cenas do programa eleitoral petista em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, onde o candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva está preso, condenado em segunda instância pela Lava Jato, desde abril.

Na saída da visita ao ex-presidente, ele disse no vídeo que "a perseguição ao Lula é a mesma que matou Tiradentes e Getúlio Vargas", mas que o petista resiste. "Ele está preso enquanto o governo Temer bagunça o país, corta direitos do povo e entrega nossas riquezas", declarou.

Logo depois, em coletiva à imprensa, Haddad disse que os petistas já esperavam reações contrárias ao registro de candidatura de Lula, mas que o partido aguarda que o possível enquadramento do candidato na lei da Ficha Limpa seja apreciado pelos tribunais superiores antes de ser julgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "Estamos muito confiantes de que o TSE vai aguardar a decisão do Superior Tribunal de Justiça ao nosso recurso para convalidar o registro e ele figurar na urna", disse.

O candidato à vice também afirmou que a campanha entrou com pedido para que Lula participe do debate entre presidenciáveis na RedeTV!, que ocorre nesta sexta-feira, 17. Caso o pedido seja negado, a legenda deve pedir para que Haddad represente o ex-presidente no programa.

O ex-prefeito de São Paulo disse ainda que é manifestamente "inconstitucional" o pedido do força-tarefa da Lava Jato no Paraná de tentar barrar visitas de Haddad e da presidente do PT Gleisi Hoffmann como advogados de Lula. "[Seria um] fato inédito, a cassação da prerrogativa de advogado", declarou. Antes de Haddad, também visitaram Lula o ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim e o argentino Adolfo Pérez Esquivel, Nobel da Paz. Amorim entregou a Lula um livro sobre a história do próprio ex-presidente na Lava Jato autografado pelo Papa Francisco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.