Haddad fará pedido público de apoio a Marta; cúpula do PT já descarta prévia

A desistência da senadora Marta Suplicy (PT-SP) de sua pré-candidatura à Prefeitura de São Paulo será a senha para emissários do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrarem dos outros postulantes do PT que sigam o mesmo caminho e não disputem a prévia com o ministro da Educação, Fernando Haddad. O ministro pedirá publicamente o apoio da senadora, com quem trabalhou na Prefeitura, de 2001 a 2004. Será um gesto de humildade para não começar a campanha em atrito com a ex-prefeita, que tem forte aceitação, sobretudo na periferia paulistana.

VERA ROSA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2011 | 03h05

"Marta deu o tom com maturidade, saindo da disputa para unificar o PT. Então, o pior já passou", afirmou o chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. Pressionada por Lula e pela presidente Dilma Rousseff, a senadora anuncia hoje que sairá do páreo para apoiar Haddad, em 2012.

O governo está confiante na retirada das pré-candidaturas dos deputados federais Jilmar Tatto e Carlos Zarattini - ainda que publicamente eles neguem a intenção de desistir - e avalia que o senador Eduardo Suplicy não conseguirá as 3.181 assinaturas necessárias para a prévia, marcada para o próximo dia 27. O prazo para a inscrição dos desafiantes de Haddad termina na segunda-feira.

Carvalho fez afagos a Marta e disse que as conversas políticas vão continuar "em nome da unidade" no PT. Em setembro, na véspera do 4.º Congresso do PT, o ministro disse ao Estado que uma prévia em São Paulo seria um "desastre" porque deixaria sequelas na campanha eleitoral. Agora, na tentativa de evitar o confronto direto, Carvalho preferiu a cautela.

"Tenho o sentimento de que caminhamos para o processo de unidade, mas, se houver prévia, não será nenhuma desgraça. Se fosse uma batalha encarniçada, com metade do PT de um lado e a outra metade de outro, teríamos muitos problemas. É por isso que louvamos a atitude da Marta", insistiu o ministro, que tem atuado como articulador político do Planalto.

Vice-presidente do Senado, Marta será chamada para ajudar nas principais campanhas do PT às prefeituras, em 2012. Não houve, até agora, qualquer negociação sobre a ida dela para a equipe de Dilma, na reforma ministerial prevista para o início do ano.

Seus apoiadores, porém, não escondem o desejo de que Marta volte a ocupar uma cadeira na Esplanada, já que foi ministra do Turismo entre 2007 e 2008, no segundo mandato de Lula. Em conversas reservadas, Marta disse que jamais aceitaria esse tipo de barganha.

Tatto prometeu registrar sua pré-candidatura na segunda-feira. "Quem resolve a disputa política no PT são os filiados, e não o desejo de integrantes do governo ou de dirigentes partidários", comentou ele.

Único nome inscrito até agora, Zarattini disse que a saída de Marta zera o jogo. "Agora, trata-se de uma disputa entre três candidatos novos, como quer Lula", emendou o deputado, ignorando Suplicy. Com dificuldades em obter apoio, o senador deu a entender que pedirá a Haddad a defesa veemente do projeto de renda básica de cidadania na capital paulista. Assim, Suplicy estará pronto para sair de cena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.