Montagem/Estadão
Montagem/Estadão

Haddad evita clima de 'já ganhou' e Serra fala em otimismo

Após votarem, petista diz que aguardará resultado com 'serenidade' e tucano lembrou que eleição só 'acaba quando termina'

O Estado de S.Paulo - atualizado às 13h25

28 de outubro de 2012 | 12h54

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, líder nas pesquisas de intenções de voto, evitou o clima de "já ganhou", mas destacou o caráter nacional das eleições paulistanas, após votar, por volta das 12h deste domingo, 28. Momentos antes, seu adversário, o tucano José Serra, parafraseou o apresentador de TV Chacrinha ao dizer que “a eleição acaba quando termina”.

"Temos que levar em conta o peso da cidade para o desenvolvimento do nosso País", diz Haddad. Se eleito, o candidato disse que fará "fortes parcerias" com o governo federal. Haddad afirmou ainda que após os 60 dias de debate o eleitor pôde compreender o que está em jogo, "a continuidade ou a mudança".

Antes de votar, Haddad participou de um café da manhã com lideranças petistas em um hotel na região da Avenida Paulista, para onde voltará à noite para se reunir com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros aliados. O candidato vai acompanhar a apuração em seu apartamento.

O candidato tucano, José Serra, por sua vez, se disse otimista e procurou destacar o papel do eleitor, ao deixar a urna eleitoral, por volta das 10h, acompanhado do neto Antonio. Em um discurso de menos de 1min30s, com a voz baixa, o tucano pediu que o paulistano cobre do próximo prefeito as promessas feitas durante a campanha. “Hoje o eleitor é o protagonista, através do voto, e deve continuar nos próximos quatro anos, cobrando as realizações de quem venha a vencer”, disse.

Em desvantagem de 18 pontos em relação a Haddad nas pesquisas de intenção de voto, Serra afirmou que a campanha foi "difícil", mas destacou o debate. "Fizemos uma campanha limpa e propositiva, com ideias para melhorar a vida da cidade".

Já ganhou. Apesar de Fernando Haddad adotar um tom cauteloso ao comentar seu desempenho na campanha eleitora, lideranças petistas apostaram na sua vitória. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, chamou atenção para as pesquisas de intenções de voto e destacou o programa de governo apresentado por Haddad. “Acredito que vamos ganhar com vantagem significativa”, apostou. A ministra da Cultura, Marta Suplicy, por sua vez, afirmou que Lula fez a “escolha certa” ao bancar o nome de Haddad para a disputa paulistana. A ministra chegou a ser pré-candidata, mas foi preterida pelo ex-presidente.

A declaração do ministro desagradou os líderes do PSDB de São Paulo. "A posição do Mercadante, sem esperar o resultado das urnas reflete uma profunda arrogância e prepotência diante da cidade e do povo de São Paulo", disse o deputado federal Edson Aparecido, coordenador da campanha de Serra e aliado do governador Geraldo Alckmin./Bruno Lupion e Bruno Boghossian

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.